A Queda da Cidadela Marítima: Uma Narrativa Fantástica e Misteriosa

uma cidadela marítima é destruída por uma orda de criaturas malignas e guerreiros esqueletos, fantasmas, lobisomens, trolls, piratas sanguinários e feiticeiros e seres da noite que deixam um rastro de destruição e incêndios, o mar fica vermelho sangue, sete luas cheias brilham sinistras em meio a nuvens de trovoada

📕

As trevas engolem a cidadela marítima de Ancar

forças sinistras espalham caos e destruição por onde passam

Em A Queda da Cidadela Marítima, conhecemos o relato sinistro sobre a trágica queda de uma cidadela marítima que foi engolida em uma única noite por forças malignas além da compreensão humana.

 Esta história se passa em um universo fantástico e exótico, cujos personagens se envolvem em mistério, violência, rebeliões sangrentas, seitas malignas, criaturas sobrenaturais com habilidades e intenções ocultas e uma narradora tão misteriosa quanto o relato de que foi testemunha.

Nesse post apresento o capítulo 1 (A Queda da Cidadela Marítima) do ciclo "O Ventre de Pedra" da saga "O Governador das Masmorras". Esse é um projeto antigo, mas que ainda está em andamento. Ele faz parte de um projeto literário maior, que inclusive já teve algumas publicações (como O Leão de Aeris e Os Demônios de Ergatan; que será repúblicado como "Os Segredos dos Suna Mandís" em mais de uma parte). No momento, o material que compõe todas as sagas dentro desse universo; esse mundo estranho, estão sendo revisados para que contos, novelas e até romances sejam lançados (em um futuro que, apesar de incerto, espero que não esteja tão longe). Para conhecer mais sobre esse projeto, eu indico um post antigo e também indico um post mais atual aqui do blog: em "O Povo das Mandalas Errantes" eu falo sobre os trabalhos mais recentes desse universo e explico um pouco também sobre o andamento desse projeto.

Agora, deixo vocês com primeiro capítulo narrado em primeira pessoa por um personagem que foi a minha primeira experiência em contar histórias sobre um ponto de vista não humano e que eu viria a adotar novamente em outros trabalhos.

Após a leitura, recomendo o post A Misteriosa Espiã Alada e o post A Cela; que também faz parte de O Ventre de Pedra.

Cap. 1 - A Queda da Cidadela Marítima

— As cinzas levantaram-se com o vento naquela manhã...

— Eu testemunhei o que aconteceu do alto dos céus...

— Não pude ver tudo... Não pude ouvir tudo... Ainda assim tentei ver e ouvir tudo o que fosse possível...

— Tentei até mais... No entanto o que aconteceu estava fora do meu alcance...

A voz dela era linda; a voz de uma jovem donzela inebriante e sedutora. No entanto ela falava como se estivesse em um transe. Como se não possuísse consciência do que estava dizendo. Ela prosseguiu...

— Os navios inimigos se aproximaram do porto durante a madrugada sem que ninguém os notasse; nem os sentinelas e nem eu percebemos um sinal sequer das embarcações nas águas do mar durante as horas de escuridão. — Ela sorriu enquanto falou, mas não era um sorriso agradável. Era um sorriso carregado de desdenho. Mas era difícil imaginar a quem aquele desdenho todo se destinava.

— Foi como se os navios inimigos estivessem navegando envoltos em um véu que os tornava invisíveis... Se fossem somente inimigos comuns; um bando qualquer de saqueadores, eles não contariam com um artificio tão engenhoso... Havia algo errado... Muito errado... Naquela manhã traiçoeira... E eu não fui capaz de perceber... Não fui capaz... — Ela terminou a frase quase sussurrando. Escorria suor do seu rosto. Ela ficou em silêncio durante alguns instantes, mas aqueles instantes pareciam uma eternidade para ela e também para aquele que a ouvia atentamente.

— O ataque veio... Rápido e violento... Os canhões do inimigo dispararam impiedosamente contra os fortes costeiros e contra um vilarejo a beira mar; alvos pegos totalmente desprevenidos. Um caos completo de explosões e chamas. Em seguida os navios aportaram e seus tripulantes rumaram como bárbaros selvagens carregando espadas e pistolas. — Ela retomou sua narrativa. Falava como se estivesse reportando um relatório para o seu ouvinte. A voz doce e sedutora não tinha emoção. De certa forma aquilo não deixava de ser um relatório; um relatório na forma de uma testemunha viva.

— Os soldados de Ancar responderam enviando quase todo o seu contingente para o porto, com isso conseguiram refrear a invasão não deixando os inimigos alcançarem as rotas que levavam até o centro da cidadela... — Ela interrompeu-se momentaneamente antes de prosseguir. — Tolos e presunçosos... Acharam que o inimigo era o que o inimigo mostrava ser... Foi o que os condenou e condenou a todos nós. — Ela balançava a cabeça em negativa enquanto falava. Mas os seus olhos pareciam não seguir o movimento da cabeça, continuavam fixos no ouvinte logo a frente. Na verdade os olhos dela nunca desviavam dele. Ela nem mesmo piscava. — No entanto... — Prosseguiu ela.

— Ancar  foi surpreendida novamente... O ataque veio de onde menos se esperava... Escravos e plebeus se rebelaram aproveitando que àquela altura o centro urbano contava com apenas um pequeno número de soldados para proteger o centro; a população estava a mercê da fúria dos rebeldes que empunhavam ferramentas como armas e também algumas pistolas e alguns barris de pólvora que só poderiam ter chegado às suas mãos através do contrabando... Tudo planejado... — Seu corpo estremeceu brevemente enquanto ela tentava articular a próxima palavra. — E Ancar mordeu a isca... E eu fui enganada... Enganada... Enganada... Juro que fui enganada... — Completou ela e mesmo que sua voz não possuísse nenhuma nota de emoção era possível deduzir que em seu íntimo haviam emoções que a atormentavam profundamente... A maior delas talvez fosse o medo.

— Aflita eu foquei toda a minha atenção na casa em que as duas estavam; a “Filha” e a “Filha-da-filha”... Elas estavam em perigo... — Disse ela e após isso parou de falar enquanto um sorriso se formava em sua face, mas antes mesmo do sorriso se completar um leve tremor devolveu a ela a expressão entorpecida, alheia e mecânica. E sua narrativa prosseguiu.

— A rebelião dos escravos começou em pontos espalhados, mas ela seguia um padrão que os conduziu para a praça principal. De lá o caminho dos rebeldes conduziria aonde eu temia... Ao encontro delas... Sim eu temia... Mas não por elas... Temia a punição por não tê-las protegido... Ah se eu temia. — Enquanto ela falava o ouvinte reconstruía em sua mente os eventos narrados, imaginando os detalhes, reconstruindo as entrelinhas, recriando o cenário e o ambiente. Era quase como se ele houvesse estado lá, na pele dela ou talvez fosse até mais real que isso, era como se ele se transportasse para aquele dia e lugar no passado através da narrativa dela.

— A “Filha” e a “Filha-da-filha” do “Sempre-sobre-a-torre” estavam no jardim quando soaram os sinos e as cornetas de alerta de sua casa. As duas; mulher e criança, fugiram para o interior da construção que era semelhante a um pequeno castelinho cuja maior torre erguia-se trinta passos em direção ao céu... — Sua voz quase sumiu ao terminar a frase. Ficou mais alguns instantes em silencio. O peito arfava como se estivesse fazendo um enorme esforço. Aos poucos a respiração normalizou-se e ela abriu os lábios novamente para falar.

— Instantes após elas terem entrado na casa, eu perdi o rastro das duas... Não as via ou ouvia... Algo estava errado, pois se eu era capaz de ver  e ouvir até mesmo os vermes rastejando pela terra, porque eu não era capaz de ouvi-las no interior da casa? Aquela casa que eu vinha vigiando há anos... — Ela levantou o braço direito de vagar como se estivesse tentando alcançar algo, mas a meio caminho um tremor percorreu seu corpo e o braço despencou frouxamente ao lado do corpo. O suor escorria pelo seu braço e pingava das pontas de seus dedos e de suas unhas compridas como pontas de adagas.

— Era como se as duas houvessem se afastado para um outro domínio dentro daquela casa... Que até então parecia-me; vista de fora, uma casa normal. Uma construção de pedra que as pessoas constroem para não precisarem dormir ao relento ou em cavernas e tocas como outras criaturas faziam... — Um sorriso torto perpassou seu rosto novamente. Um sorriso rápido, desagradável e desdenhoso, após o qual sua face tornou-se novamente inexpressiva. — Fui enganada duas vezes... Duas vezes... Se não mais... — Disse após um breve instante.

— O “Cavalo negro”; o inimigo do “Sempre-sobre-a-torre”, não estava com elas, apesar de morar na mesma casa... Ele havia saído cedo; como sempre fazia antes das primeiras luzes de Aruzan despontarem no leste, montado em um Belusco Negro. Foi para o forte no qual exercia o trabalho de oficial comandando um grupo de soldados que se ocupavam da patrulha dos portos e das praias da ilha de Ancar. — O vento soprava forte fazendo seus cabelos negros esvoaçarem. Seu ouvinte a olhava atentamente, nada mais existia para ele; apenas o som daquela voz que seria capaz de enfeitiçar a qualquer outro. Menos a ele.

— Provavelmente o “Cavalo negro” estava em meio à multidão de soldados que digladiavam com os invasores no porto... Provavelmente ele nem imaginava o que se passava na casa onde estavam as duas... Provavelmente... Provavelmente... Provavelmente... Provavelmente... — Ela ficou repetindo aquela última palavra por um bom tempo. Seu ouvinte não a interrompeu em nenhum momento. Por fim ela caiu no silêncio e desta vez os seus olhos se fecharam, como se ela houvesse caído em um sono languido após um grande esforço exaurir suas forças. Um novo momento de interrupção no relatório; mas um momento mais longo, mais consistente, como uma página em branco no meio da narrativa. Era como se ela precisa-se daquele tempo para poder prosseguir. Ou talvez fosse o seu ouvinte que precisa-se daquele tempo, daquela página em branco, na qual poderia ordenar os eventos narrados até então.

***

Em dado momento o ouvinte moveu-se. Foi como se uma estátua houvesse se movido; uma pedra que repentinamente percebesse que possuía vida. Ele aproximou-se dela... Tocou levemente o seu queixo erguendo sua face e disse... — Continue. –Ela abriu os olhos que tornaram a petrificar-se ao olharem nos olhos dele e continuou...

— Enquanto eu vasculhava cada detalhe da luta que começava ao redor da casa, eu notei que em meio aos revoltosos haviam seres que não eram pessoas... Apenas se pareciam com estas... Provavelmente eram eles os responsáveis por driblar minha vigília. Espíritos corrompidos que vestiam a pele e a carne de pessoas. Estavam marcados com os sinais “Dele”... Sinais que esconderam cautelosamente de meus olhos até aquele momento... Sinais que esconderam dos olhos normais dos seres deste mundo... Os sinais da “Grande-sombra-que-vomita-caos”. Mas naquele momento eu os notei, pois eles tiraram seus disfarces, tiraram seus mantos inescrutáveis... Notei os seus sinais... As marcas de Araór Vegus... Sim, eu notei... — Ela ainda falava como se estivesse em um transe, mas seu corpo estremecia ora ou outra. Era como se o seu corpo estivesse procurando uma forma de canalizar as emoções que ela revivia enquanto falava... Enquanto transformava em narrativa o que havia testemunhado.

— Eu sabia o que eles queriam... Só podia ser uma coisa... O raro sangue que a filha do “Sempre-sobre-a-torre” carregava em suas veias... Quando eu os vi me desesperei... Talvez já fosse muito tarde para fugir deles... Talvez fosse muito tarde para resgatar as duas; os tesouros do “Sempre-sobre-a-torre”... As duas que eram a família do “Cavalo negro”... Então aproveitei que os soldados que guardavam a casa da “Filha” e da “Filha-da-filha” estavam protegendo-a bem. Os revoltosos não eram soldados treinados e assim muitos deles caíram sobre as setas dos arcos e sob a lâmina dos experientes espadachins que o “Cavalo negro” pagava para protegerem sua casa e sua família... E “eles”... Os seguidores de Araór Vegus ainda não haviam se movido... Embora eu não soubesse o motivo de sua demora agradeci o tempo que me fora dado. — O ouvinte andou alguns passos para longe dela. Alguns passos para mais perto do fogo. Os olhos dela o acompanhavam aonde quer que ele fosse como se estivessem ligados a ele.

— Mergulhei dos céus para buscar as duas... O tempo urgia... Tinha que agir antes que “Eles” agissem... Entrei pela torre mais alta da construção... Poucos me viram entrar... Eu poderia ter desejado que aquelas criaturas não houvessem me notado, mas seria uma esperança fútil... Apenas me apressei. Busquei as duas por todos os cantos da construção. Fui atacada por alguns empregados da casa e os derrubei apenas com algumas notas da minha canção... Ainda assim, não encontrei nenhuma das duas... Era como se elas houvessem sido consumidas pela própria casa... Então forcei-os a falar... — Sua voz neste ponto reduziu-se a um sussurro. Seus lábios torceram-se em um sorriso de prazer. O ouvinte notou que era um sorriso de prazer mesmo que o tom de sua voz continuasse monocórdio e inexpressivo, pois ele conhecia a natureza dela. Conhecia-a melhor que ela mesma. — Eu os forcei. E eles resistiram. Resistiram até o final. Até que a morte os silenciou definitivamente. Ao menos para mim era um silencio definitivo. E isto só podia significar uma coisa... — Seu corpo estremecia levemente como se suas emoções estivessem lutando para se manifestar. — Eles realmente não sabiam onde elas... Onde elas... — Ela aumentava o tom de sua voz como se aquilo que ia em seu intimo fosse mais forte que as amarras que até então seguravam-na. — Eles não sabiam onde elas estavam... Os matei, mas eles não sabiam de nada... De nada... Nada... Hahahahaha... — Então ela se pôs a gargalhar. Ouvir aquela voz de donzela; voz delicada e encantadora, gargalhar daquela forma histérica e homicida era perturbador. Ou talvez o perturbador fosse saber que ela parecia estar se divertindo com o que ela havia admitido ter feito. E feito em vão. Mas não era assim tão simples. Havia algo muito mais perturbador no timbre daquela voz que conseguia ser inebriante mesmo quando era usada em uma só nota; a mais inexpressiva nota que possuía em seu repertório... Algo que ouvidos comuns não podiam distinguir, apenas temer.

— Então uma explosão ao longe chamou a atenção de todos, a minha inclusive... O som  estrondoso de trovão vinha do porto, mas era um trovão de pólvora e chamas... — Prosseguiu ela, após sua gargalhada ser sufocada por um espasmo que a fez arfar como se houvesse levado um soco invisível em algum lugar de suas costelas.

— Voltei para a torre mais alta da casa, vasculhando cada recanto e cada cômodo sem encontrar nenhum sinal das duas... Pareciam ter sumido diante de alguma feitiçaria. Me lancei no ar e subi aos céus rapidamente... Vi um grande navio arder em chamas enquanto era tragado pelas águas revoltas do mar... Seus estandartes pertenciam aos Insurgentes... Provavelmente ele estava carregado de pólvora quando explodiu. — Enquanto ela falava o seu ouvinte mexia no recipiente metálico que ardia nas chamas crepitantes.

Um guerreiro de armadura com a espada em punho enfrentando um feiticeiro necromante em seu terrível cavalo

— Notei de relance outra cena próxima ao navio em chamas... E nesta cena o “Cavalo negro” já não lutava, havia caído em meio a um combate em um pequeno navio de assalto que agora seguia à deriva. Todos no navio pareciam mortos e seus corpos eram carregados pelas ondas para longe do porto... Como se estivessem em um enorme caixão em chamas flutuando sobre as águas errantes... Me perguntei se aquele seria o fim do “Cavalo negro”... Me perguntei se o “Sempre-sobre-a-torre” iria querer que fosse o fim dele... Do seu inimigo que também era o guardião de seus dois tesouros... — Seus lábios tentaram contorcer-se novamente em um sorriso malicioso, um sorriso desagradável. Mas a atenção que seu ouvinte depositava nela era tão grande que parecia impedi-la de qualquer coisa que não fosse respirar e falar.

— Por um breve instante achei que os revoltosos se sentiriam inibidos ao receberem a noticia de que um dos maiores navios de sua esquadra havia afundado. Mas havia me enganado... Os revoltosos ficaram ainda mais ferozes após a explosão... Ainda mais perigosos... Gritavam “É o sinal! É o sinal!”... E as sombras em meio a eles se mostraram... E eu descobri a qual séquito eles pertenciam, pois o “Sempre-sobre-a-torre” havia me alertado sobre os poderes deles... A Estrela Negra. — Ela suspirou ao término da frase e depois falou, frisando aquelas palavras...

***

Continua...

Se você gostou da história, vai gostar de ler também a continuação no post A Misteriosa Espiã Alada e também post a Cela; que também faz parte de O Ventre de Pedra.

em uma ilha tropical uma cidadela marítima e as vilas em volta são destruídas pelo ataque de uma orda de criaturas das trevas lideradas por um feitiçeiro necromante vestindo um capuz e um manto preto com o símbolo de uma estrela negra. noite, várias luas cheias, mar vermelho sangue, navio em chamas, orda de monstros, arte fantástica e sombria



Comentários

Minha foto
Éder S.P.V. Gonçalves
Osasco, SP, Brazil
É um ficcionista trevoso; escreve poema, romance e também conto. Mescla tom sério com humor ao falar sobre fantasia, mistério e terror. Mantém um blog onde posta textos por vezes sombrios e temperados com ácido humor.

Postagens mais visitadas deste blog

O Tigre, de William Blake

Yokais: as criaturas sobrenaturais do folclore japonês e sua história

Katana Zero

Carmilla: a vampira de Karnstein

Filtrando pelo campo TSK_STATUS

A lenda do Mapinguari: tudo o que você precisa saber sobre o monstro da Amazônia

Nomes de gatos pretos: inspirações da literatura fantástica

Halloween: qual a origem e curiosidades dessa festa cheia de gostosuras e travessuras?

Poema Trevas de Lord Byron

Drácula: é capaz de controlar os lobos?

📮 Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

👁‍🗨 MARCADORES

Curiosidades Leituras crônicas de escritor crônicas de um autor independente O Conde de Monte Cristo Alexandre Dumas Livros filosofia espada e feitiçaria Entretenimento Fantasia Sombria Poemas folclore Memorandos a rua dos anhangás histórias de mistério histórias de terror vampiros Contos literatura gótica Caravana Sombria diário halloween dicas Os Demônios de Ergatan histórias de aventura histórias de fantasma lobisomens Bram Stoker Oitocentos Aromas de Devaneio PODCASTS escrita games sagas Drácula O Governador das Masmorras O Leão de Aeris Psicotrápolas lendas lendas urbanas mitologia Atividade Física Conan o Bárbaro Histórias Sobrenaturais de Rudyard Kipling Rudyard Kipling Via Sombria conan exiles critica social kettlebell lua cheia micro contos natal paganismo resenha sociedade séries séries de tv Exercícios de Criatividade O Ventre de Pedra arqueologia feriado girevoy sport gyria inteligência artificial krampus krampusnacht masmorras papai noel xbox Robert Ervin Howard cultura pagã estrela negra folclore guarani ia indicação de séries liberdade melkor morte quadrinhos Capas Desenvolvimento de Jogos História Ilustrações Os Segredos dos Suna Mandís Passeios Space Punkers era hiboriana game designer harpia histórias de horror histórias góticas hq humanidade mangá netflix personagens poema gótico política prisão As Aventuras do Caça-Feitiço Conto Diana Haruki Murakami J.R.R.Tolkien Joseph Delaney O DIÁRIO DE IZZI O Homem Sem Memória Romancista como vocação Sandman V de Vingança Vampiros na literatura Wana anhangás animes aranhas arquivo umbra arte bruxaria bruxas chatgpt criação de histórias cultura gótica cultura japonesa cães estações do ano facismo fanfic fantasia fantasmas festividades gatos pretos godot jogos jurupari literatura magia mitologia brasileira outono paródia protheus sea of thieves sexta-feira 13 superstições totvs vida vingança A Fênix na Espada Aventura Café Holístico Carmilla: a vampira de Karnstein Cristianismo Joseph Conrad Joseph Sheridan Le Fanu O Chamado Selvagem O Coração das Trevas O Mentalista Terry Pratchett age of war anime animes de esporte anotações bokken cadernos capa castlevania ceticismo conto de terror cotia crenças criatividade criaturas fantásticas culto aos mortos demônios dia de todos os santos diabo drama educação engines espada espada de madeira espiritualidade evernote família farmer walk feitiçaria ficção ciêntifica ficção fantástica folclore indígena folclore japonês fotografias funcom hajime no ippo horror cósmico inverno leitores listas lobos lua azul matrix megafauna mitologia indígena monstros natureza notion objetos amaldiçoados opinião palácio da memória piratas podcast ratos reforma seres fantásticos sinopse sobrenatural série de terror templo zu lai tigre tutoriais utilidades viagem no tempo vila do mirante vlad tepes wicca xamanismo youkais Áudio-Drama A Arte da Guerra A Balada dos Dogmas Ancestrais A Cidade dos Sete Planetas A Cidadela Escarlate A Enciclopédia de Bars A Ilha do Tesouro A Sede do Viajante A Voz no Broche Adaptações do Zorro Age Of Sorcery Akira Toryama Amazon Prime Anne Rice Arthur C. Clarke As Mil e Uma Noites As Sombras do Mal Bad and Crazy Barad-dûr Berkely BlackSails Blog Breve encontro com Dracooh de Beltraam Bushido Caninos Brancos Canto Mordaz Carta Para um Sábio Engenheiro Cartas Chuck Hogan Clássicos Japoneses Sobrenaturais Daniel Handler Direitos Iguais Rituais Iguais Discworld Divulgação Doctor Who Dragon Ball Eiji Yoshikawa Elizabeth Kostova Elric de Melniboné Entrevista com o Vampiro Fantasia Épica Full Metal Alchemist Gaston Leroux Genghis Khan Grande A'Tuin Guillermo Del Toro Hoje é Sexta-Feira 13 e a Lua está Cheia Jack London Johann Wolfgang von Goethe Johnston McCulley Jornada de Autodescoberta Joseph Smith Katana Zero Lemony Snicket Lestat de Lioncourt Lord Byron Lord Ruthven Louis de Pointe du Lac Mapinguari Michael Moorcock Michelly Mordor Musashi Na Casa de Suddhoo Na toca dos ratos letrados Nergal Novela O Escrínio de Pooree O Fabuloso Maurício e seus Roedores Letrados O Feiticeiro de Terramar O Historiador O Hobbit O Jirinquixá Fantasma O Lobo O Lobo das Planícies O Mar O Mundo de Sofia O Ogro Montês O Primeiro Rato Letrado O Rei de Amarelo O Senhor dos Anéis O Sexo Invisível O Sonho de Duncan Parrennes O Tigre O Tigre e o Pescador Obras das minhas filhas October Faction Olga Soffer Os Incautos Os Livros da Selva Os Ratos Letrados Outono o Gênioso Oz Oz City Pedra do Teletransporte Pituxa Polo Noel Atan Red John Rei Ladrão & Lâmina Randômica Richard Gordon Smith Robert E. Howard Robert Louis Stevenson Robert William Chambers Rotbranch Safira Samhain Sarcosuchusimperator Simbad Sobre a Escrita Sociedade Blake Stephen King Stranger From Hell Série Zorro TI Tevildo Thomas Alva Edison Tik Tak Tomas Ward Tortuga Ursula K. Le Guin Valerio Evangelisti Vida e Morte Vó Mais Velha Wassily Wassilyevich Kandinsky William Blake Wyna daqui a três estrelas Yoshihiro Togashi Yu Yu Hakusho Zorro absinto aho aho akemi aleijadinho algoritmos alienígenas alquimia aluguel amazônia amor anagramas andarilhos animais de estimação animação ano novo aranha marrom aranha suprema arquétipo artesanato astronomia atalho atitudes autopublicação aves míticas azar balabolka baladas banho frio banho gelado bicicleta bienal do livro biografia blogger bokuto boxe bugs caderno de lugar comum calçados militares caminhos escuros carlos ruas carnaval carta do chefe Seatle casa nova casas mal assombradas castelos castelos medievais categorias cavaleiro da lua celebrações pagãs chalupa chonchu chrome cidadania cientista civilização ciência condessa G condomínio configuração consciência conto epistolar coragem cordilheira dos andes corsários crianças criaturas lupinas crimes cultura brasileira cultura otaku cárcere dark rider dark side democracia deusa da lua e da caça devaneios dia das crianças dia de finados dia do saci dia dos mortos distopias diy doramas eclipse eclipse do sol eclipse solar ecologia el niño ema encantos esboços escultura escuridão espírito de luta espíritos exoplanetas falta de energia elétrica faça você mesmo feiticeiras feitiços felicidade felipe ferri fome fonte tipográfica fonógrafo fortuna fundação japão game pass gratidão greve gênero harpias histórias de pescador hitória hobby homenagem homens humor husky hábitos saudáveis ia para geração de imagens idealismo identidade igualdade de gênero imaginação imaterialismo inquisição jaci jaterê japão japão feudal jogos 2d jogos de plataforma jornada kami katana kendo kraken kraken tinto labirintos labirintos 2D lealdade leitor cabuloso lenda guarani lendas antigas leste leviathan licantropia linguagem de programação literatura aventuresca literatura fantástica literatura inglesa live action livros infanto juvenis loop lua de morango lugares mal assombrados lógica de programação malaquias mandalas mangaká matemática mawé mazolata mboi-tui meio ambiente melancolia memorização mercado de trabalho meu rh microsoft midjourney mistério mitologia grega mitologia japonesa mitologia árabe mitra miyamoto musashi mizu moccoletto mochila modelo de linguagem modo escuro molossus monograma montanha morgoth morpheus moto motoqueiro mudança mudanças climáticas mulheres mundos método wim hof músicas narrativa navios piratas neil gaiman noite eterna nomes de gatos pretos nona arte nostalgia o que é vida objetos mágicos ogros oração os sete monstros osamu tezuka patriarcado pena pensamentos perpétuos pesadelos pescador piedade piratas do caribe pluto pod cast poderes povo nômade povos aborígenes predadores prefácio primavera primeiras impressões problemas profecia pterossauro publicação independente qualidade de vida quarta parede reclamação reflorestamento religião religião de zath rio Pinheiros rio Tietê ritual robôs roc roca roda do ano roma antiga romantismo cósmico romênia roque sacerdotisas de zath samurai de olhos azuis sarcosuchus Imperator saturnalia saturnália saúde segredos serpente-papagaio sexo frágil sintetizador de voz sistema mágico smilodon sobrevivencialismo solstício solstício de inverno solstício de verão sonhar sophia perennis sorte suna mandís sustentabilidade série tau e kerana teclado telhado telhas de pvc templo de hachiman tempo teoria das cores terror texto em fala ticê tigre dente de sabre totvs carol transilvânia travessão treinameno treinamento treino trevas trickster tumba de gallaman tv título um sábado qualquer universidades van helsing varacolaci vendaval verão vida em condomínio vigília da nevasca windows wombo art xintoísmo ymir yokai yokais youkai yule zath zoonoses águia ódio
Mostrar mais