Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2018

Crônicas de um Autor Independente: um escritor dando um mal exemplo

Imagem
23 horas do dia 05 de maio de 2018 — a semana foi muito produtiva e regada ao som de muito Metal   Eu Escrevendo: Não fale comigo! Não mexa comigo! Cuide da sua vida! Eu estou Escrevendo! A verdade é que eu não estou muito a fim de escrever hoje. Talvez seja cansaço ou então sono acumulado… Mas não importa. Vou fazer o que tenho que fazer. E ponto. Se eu precisar revisitar esse texto para corrigir alguma eventual incoerência ou erro de escrita, o farei. Por hora tenho que tentar manter a minha regularidade. Esta semana foi a semana em que comemoramos o dia do Trabalhador. Agradeço a este feriado, pois usei o tempo livre para adiantar bastante a revisão do volume 2 de Rumores: dei um salto do capítulo 10 para o 13.   Esta é a imagem que selecionei para o capítulo 13. Sempre escolho uma para me ajudar a sintonizar no capítulo em que estou trabalhando. Como eu mencionei aí em cima, foi uma semana regada a muito metal. Uma semana enérgica. Uma semana intensa. E a coisa toda andou muito bem

Crônicas de um Autor Independente: uma batalha intensa

Imagem
20 horas do dia 29 de abril de 2018 — a semana foi uma batalha intensa   Quando o governo solta um novo e estranho monstro no país, é preciso um monstro lendário para enfrentá-lo. Cá estou novamente, com um resumo dos bastidores da vida de um autor independente. Vou apenas jogar um pouco de conversa fora. Preciso disso, para colocar os eventos que se passaram nesta louca semana em ordem na minha cabeça. Infelizmente, fui assombrado pelo inimigo secreto que se esconde no governo. Sim, um inimigo secreto. E no governo. Quando ele põe as garras para fora, vira de cabeça para baixo a vida de agentes duplos como eu. São tantas as missões das quais precisamos dar conta em nosso trabalho principal — aquele que fazemos como infiltrados — que sobra pouco ou quase nenhum tempo para os planos maiores; os mais ambiciosos. Passei a semana às voltas com um novo monstrinho que o governo está liberando em nosso país. Foi uma luta difícil, que aliás, não terminou. Mas posso dizer que sai vitorioso ness

Leitura da Semana 85

Imagem
Esta semana eu avancei em minha leitura do segundo volume de Elric de Melniboné. Faltam uns 10% do e-book para eu concluir esta etapa da leitura deste clássico da Espada e Feitiçaria. Minhas preocupações? Saber se a editora Generale pretende ou não lançar o volume 3 desta incrível saga. O que estou achando sobre as aventuras do Imperador Albino de personalidade trágica e introspectiva? Difícil definir em poucas palavras. Mas farei um esforço: Elric de Melniboné é uma fantasia trágica, que traz reflexões sobre o pessimismo cético e ao caráter introspectivo de um personagem que não pode ser definido como outro coisa senão um verdadeiro anti-herói. Mas não um anti-herói boca suja e truculento que pouco se importa com questões existenciais. Pelo contrário; é um homem educado e sensível, mal compreendido e desprezado por seus iguais. Ele nos apresenta em sua jornada em busca da verdade a questões existencialistas bastante incomodas e às quais evitamos nos debruçar por receito de mergulharmo

Balança da Semana 85

Imagem
Esta é uma mera curiosidade. Qual é o tamanho do meu próximo livro? Por tamanho, estou falando da quantidade média de palavras que ele terá quando o último ponto final for colocado. A este respeito, eu gostaria de indicar este  Texto , que é um guia curioso a respeito do tamanho que alguns livros famosos possuem. Depois de darem uma lida nele, saberão melhor o que quero dizer. Até o presente momento — dia 22 de abril de 2018 — o Livro dois da série Rumores possui 95524 palavras. Este é o tamanho aproximado do Hobbit: que possui 95356 palavras. Claro que, como o livro está em revisão, palavras serão tiras e palavras serão colocadas, de modo que não consigo dizer exatamente quantas palavras haverão no final. Mas, acredito que o tamanho não irá fugir muito da casa dos 90 ao 100 mil.    
Minha foto
Éder S.P.V. Gonçalves
Oz, São Paulo, Brazil
Em uma cabana na montanha vive um monstro. A criatura selvagem é um ficcionista perigoso; escreve poema, romance e também conto. Em tom sério (e às vezes também com humor) fala sobre fantasia, mistério e terror. Mil hobbys ele tem; até desenvolvedor de jogos, podcaster e programador. De vez em quando se veste de humano e anda por cidades cinzentas só para saber como é viver em um cenário de horror. Este é um perigoso Ideário, pois é o caderno de anotações de um monstro polimático.