Se uma árvore cai na floresta

Uma árvore caída na floresta

🤔🤔🤔

Hoje é dia 28/03/2023, uma terça-feira nublada e um pouco fria; se compararmos com o calor recente do fim do verão.

Mas, se não houvesse ninguém para testemunhar esse céu perfeitamente cinzento, ele existiria?

Essa é a questão que minha filha me apresentou ontem à noite. Bom, na verdade, ela não falou do céu cinzento: ela apresentou uma pergunta antiga e já usada em debates filosóficos antes: Se uma árvore cai na floresta e ninguém está perto para ouvir, ela faz barulho?

Para minha sorte, eu já havia lido e conversado sobre esse assunto anos atrás. Na verdade, ouvi uma variação dessa pergunta (mas que pretende chegar ao mesmo lugar): Se uma árvore cai na floresta e ninguém está perto para ouvir, ela caiu mesmo?

Mas estou me adiantando no assunto...

Quero deixar essa noite registrada (o máximo possível: afinal, estou muito orgulhoso da minha pequena filósofa), então vou recapitular um pouco as coisas antes de entrar nos meandros filosóficos da árvore que cai...

Após chegar em casa e atualizar a minha esposa a respeito de um assunto que estou tratando no condomínio onde moramos (que ironicamente envolve o corte de duas árvores) enquanto tirava meu coturno e guardava minha mochila, resolvi lavar a mão e me sentar para jantar; afinal, dei sorte de chegar em casa no momento em que a mesa ainda estava posta... Infelizmente o trânsito e a distância me impedem de manter um horário regular e, com isso, nem sempre consigo jantar junto delas.

Assisti a um episódio de irmãos a obra enquanto jantava. As meninas já haviam se levantado e lavado a louça e voltado para o sofá.

Assisti então um episódio de Full Metal Alchemist: Brotherwood com a Diana e a Michelly. Esse anime sempre rende vários papos cabeça. Ainda mais o episódio que assistimos ontem: Um é tudo, Tudo é Um. Acredito que esse episódio mereça um post só sobre ele e sobre o significado de "Um é Tudo, Tudo é Um"; mas deixo isso para outro momento.

Quando terminamos de assistir ao episódio, falei para as meninas irem dormir. A Michelly foi escovar os dentes equanto eu fiquei conversando com a Diana.

Não lembro como ou porque; talvez ela tenha visto algum vídeo na minha timeline do Youtube ou talvez ela tenha ouvido na escola, mas ela me abordou, dizendo que queria entender aquela questão: Se uma árvore cai em uma floresta, ela faz barulho?

Meus olhos brilharam.

— Filha, você gosta de filosofia?

— Claro pai. Eu não vivo particibando dos debates filosóficos com vocês aqui em casa e com minhas amigas na escola?

— Tem razão — respondi ponderando —, afinal, nossas conversas quase sempre envolve uma dose generosa de filosofia.

A reprodução de nossa conversa não está perfeitamente exata e na devida ordem (nossa memória pode ser confusa às vezes), mas o conteúdo e o rumo da nossa conversa seguiu exatamente por aí...

— Na escola, a professora falou que no colegial do ensino público os alunos tem que escolher algumas matérias e coisa e tal (porque agora estão diminuindo as matérias nos últimos anos), mas no Sesi não tem isso de escolher: vocês vão ver todas essas materias (falou a professora). Incluindo filosofia — disse-me a Diana, toda empolgada. — Mas pai, se tivessemos que escolher alguma matéria, eu escolheria filosofia, com certeza.

Ok, eu admito que sou um pai coruja e tenho muito orgulho das minhas crianças. Estou criando duas genias do mau... Quero dizer, duas garotas inteligentes, de mente afiada e espírito vivo. A Diana realmente adora os nossos bate-papos filosóficos em casa: minha esposa e eu vivemos tendo essas conversas e fazemos questão da Diana e agora da Michelly participarem delas. Com isso, a Diana tornou-se mestra em criar argumentos e defendê-los: e invariávelmente eu sou a vítima dos super-poderes que ela desenvolveu na área ao longo dos seus doze aninhos.

A Michelly; que com 9 anos já está quase da altura da tia Lilian, é uma menina que adora ler e desenhar (muito parecida comigo quando eu era criança: eu também era uma criança introspectiva e adorava passar horas desenhando, escrevendo e criando o que quer que fosse com os recursos que eu tinha a minha disposição; nem que eu tivesse que quebrar meus brinquedos para tentar usar suas peças para construir um robô: eu sempre falhava miseravelmente e meu robô nunca ficou pronto). Já a Michelly tem a sorte de contar com as coleções de lego para construir suas casinhas, castelos e veículos: que ela adora nos mostrar.

Nesse final de semana, após ver minha esposa e eu conversando sobre Tolkien enquanto assistíamos um canal sobre o assunto no Youtube, a Michelly resolveu pedir para pegar uma coleção de quadrinhos que temos em casa para ler: mas ela me surpreendeu com a escolha: Um Sábado Qualquer, do Carlos Ruas. Ela já leu praticamente todas as edições nesse mesmo final de semana.

Voltando à minha conversa com a Diana, eu dizia que meus olhos brilharam quando ouvi aquela pergunta à respeito da árvore. Eu disse para ela:

— Filha, o papai já teve algumas conversas interessantes sobre esse assunto quando eu era mais novo; algumas dessas conversas com seu tio Ériton. Então eu sei te explicar mais ou menos o que essa pergunta propõe.

— Então me explica, porque eu ainda não entendi...

— Vamos lá...

Essa questão tem a ver com um ramo da filosofia (acho que o idealismo subjetivo), atribuído a um tal de Berkely, que propõe uma visão um pouco diferente do que é o mundo. Segundo essa visão, o mundo não é o conjunto de todas as coisas concretas e materiais que existem. Na verdade, o conjunto de todas as coisas concretas que existem são apenas o meio à nossa volta. Cada indivíduo vai formar o seu próprio mundo, através das informações que consegue perceber do meio à sua volta através dos seus sentidos.

Neste caso, para Berkeley, como um indivíduo não é onisciente e, por consequência, não consegue perceber todo o universo concreto ao mesmo tempo, então o seu mundo é formado apenas pela pequena fração do que os seus sentidos são capazes de perceber.

Dito de outra forma: se a árvore cai em uma floresta distante de um indivíduo, ela não faz barulho para esse indivíuo, afinal, ele não pode perceber esse barulho de onde ele está. Na verdade, segundo o idealismo subjetivo de Berkeley, para esse indivíduo a árvore sequer existe, uma vez que os seus sentidos nunca puderam percebe-la.

Dito de outra forma: imagine que há uma pessoa chamada Maria, que mora em uma pequena vila no interior de São Paulo, no Brasil. Maria nunca saiu da sua pequena vila, de modo que ela conhece apenas as pessoas que moram na região. Agora, imagine que uma árvore lá na Rússia cai após ser atingida por um raio. No exato momento que essa árvore caiu, Maria estava sentada à mesa, tomando café da manhã. Segundo o idealismo subjetivo, para Maria a árvore não fez barulho, pois seus sentidos não ouviram nada. Na verdade, essa linha filosófica defende que a árvore sequer existe para Maria, uma vez que ela nunca a viu e não estava por perto para tomar consciência da existência dessa árvore.

O nosso amigo filósofo; Berkeley, é ainda mais radical em sua teoria: para ele, algo só existe enquanto há alguém para perceber esse algo. Sendo assim, quando os professores e os alunos deixam uma sala de aula, fechando a porta, as cadeiras e carteiras que estavam dentro da sala de aula deixam de existir e só voltam a existir quando os alunos e professores voltam para dentro da sala de aula.

Essa é a teoria do idealismo subjetivo de Berkeley (que em sua época, ele chamou de "imaterialismo".

Pode parecer uma ideia muito louca e sem sentido. Mas calma lá... A filosofia nunca é algo sem sentido e seu exercício nos permite ver o mundo sobre vários angulos diferentes...

— É isso que eu gosto na Filosofia pai; nunca dá para dizer que uma ideia está errada — disse-me ela, lembrando de um exercício filosófico que já tinha visto na escola, em uma aula. — É como no caso daquele exemplo de um cara que diz que tem um Dragão morando em casa; não dá para provar a inexistência do Dragão: se a pessoa pede para ver o Dragão, o cara fala que ele é invisível, se pede para jogar farinha nele, diz que ele na verdade é étereo e por isso a farinha passaria através dele, etc.

— Exato minha filha. Em Filosofia o importante não é provar nada: e sim contestar e experimentar ideias novas, por mais loucas que pareçam.

No caso do "imaterialismo" de Berkeley, apesar de muitos filósofos e cientistas terem contestado suas ideias ao longo dos anos, suas ideias nos fazem lembrar de um recurso muito usado hoje em tecnologia...

Para quem entende um pouco de computação, ou gosta de jogos de vídeo game, há uma similaridade assustadora com essa teoria e a estratégia usada por desenvolvedores de jogos para "economizar" recursos computacionais (como memória e processamento). Por exemplo, quando estamos jogando um jogo de mapa aberto (também conhecido como Sandbox) como Conan Exiles, GTA ou Final Fantasy XV, e o nosso personagem está em uma determinada área, apenas os objetos e cenários daquela área são renderizados (transformados em coisas visíveis) e exibidos em tela. As outras áreas; todas aquelas em que o nosso personagem não está no momento atual, deixam de existir, de modo a economizar recursos.

Podemos dizer que os computadores usam o conceito de "imaterialismo" para economizar recursos.

Além disso, Berkeley (sendo um bispo) ainda postulou que há um ser no universo que, por ser onisciente, percebe tudo o tempo todo e, por isso, quando os professores e alunos voltam para a sala de aula, as cadeiras e as carteiras ainda estão lá do mesmo jeito. Acontece que esse ser onisciente nunca deixou de observar o interior da sala de aula e por isso o interior da sala de aula não se desfez em uma poça de nada. Na visão de Berkeley esse ser onisciente, capaz de manter a coerência em um Universo regido pelo imaterialismo é ninguém mais, ninguém menos que Deus.

No caso dos jogos, como Conan Exiles, GTA e Final Fantasy XV, a figura de Deus é exercida pelo computador.

E, por mais que seja difícil acreditar no "imaterialismo" (e o importante em filosofia não é acreditar ou não: mas sim questionar, imaginar e explorar ideias), há teorias atuais que consideram que o nosso universo funciona como uma simulação de computador (não exatamente como em Matrix, mas algo por aí).

Claro, a ideia de que o nosso Universo é uma simulação de computador é só mais de uma de várias teorias. Mas o ponto é que é uma teoria séria e que tenta desvendar várias questões tendo como ponto de partida experimentos ciêntificos.

Caso essa teoria do universo ser uma grande simulação de computador esteja correta, então Berkeley pode ter razão e Deus pode estar economizando recursos computacionais, fazendo com que a árvore só cai e faça barulho se algum personagem em sua imensa simulação estiver nas imediações para presenciar a queda e ouvir o barulho.

— Mas pai... Por que a inteligência artificial permitiria que um filme como Matrix existisse em sua simulação. Isso não daria pistas para os humanos de que eles estão em uma simulação?

— Filha, uma I.A. tão avançada a ponto de criar a simulação de um universo, poderia muito bem ter senso de humor. Daí a explicação. Afinal, não existem vários escritores e roteiristas que quebram a quarta parede e falam com o publico através dela? Ou ao contrário, interferem no rumo dos acontecimentos dos seus personagens, dando a entender que esses estão em um universo criado por eles? Isso acontece, por exemplo, em uma das temporadas de Jovens Titãns.

— É verdade... E em qualquer história, o escritor dela é como um Deus para aquele universo...

— É uma forma de ver as coisas...

Isso também é legal em Filosofia: você não precisa pensar igual a ninguém. Eu mesmo vejo a ideia de Berkeley de outra forma. Na minha visão cada pessoa é um univeso em si mesma. O universo individual de cada um é formado a partir do que a pessoa percebe do ambiente à sua volta. Vamos chamar de ambiente tudo aquilo que os nossos sentidos podem perceber: o mundo concreto faz parte do ambiente, mas também emoções e conceitos abstratos. Sendo assim, nenhuma pessoa vai ter um universo interno igual ao de outra pessoa. Olhando desse ponto de vista, eu diria que a árvore que cai em um lugar distante não existe no seu universo.

— Mas pai, eu sei que árvores existem e que eventualmente elas podem cair. Então não é como se essa ideia não estivesse em meu universo interno.

— Talvez eu tenha usado o exemplo errado. Claro, existem coisas que você espera que existam em seu universo interno. Mas, a grande questão não são as coisas pelas quais você espera: sobre essas você tem certa consciência, você joga luz sobre elas e por isso elas existem para você. Mas imagine o seguinte: você mora aqui nesse bairro desde que nasceu. Você conhece sua escola, seus avós e a casa deles, o condomínio, algumas ruas do bairro e tal. Certo?

— Agora, imagine que após tantos anos morando aqui, eu diga para você um belo dia que na rua de trás do condomínio sempre teve uma casinha que, nos fundos dela, há um pequeno zoológico com zebras e urangotangos. O que você sentiria quando eu disse isso?

— Nossa, é mesmo... É como se isso nunca tivesse existido e de repente...

— Esse é o seu universo interno descobrindo algo que até então estava na escuridão da inexistência. Para você, é como se esse lugar não existisse mesmo; você o ignorava completamente. Na minha visão das coisas, cada um tem um universo próprio, que está crescendo o tempo todo conforme nós experimentos o nosso ambiente concreto e abstrato (porque coisas abstratas como emoções e conceitos também são percebidos pela nossa mente).

Mas a minha visão das coisas é só mais uma dentre muitas possíveis... Por isso eu gosto de filosofias filha; não certo e errado e sempre terminamos uma conversa com mais dúvidas do que respostas. Porém, também é verdade que ganhamos mais perspectivas e perspectiva é algo importante. Acho que nem podemos dizer que terminamos as conversas... Ao invés disso a interrompemos temporariamente. Essa conversa sobre a árvore que cai... Já voltei a ela tantas e tantas vezes e, em todas elas, fico com mais perguntas que respostas. E também enriqueço minha forma de ver as coisas.

— Então pai, você vai me indicar algum livro sobre o assunto.

— Sobre filosofia?

— É. Mas não pode ser didático. Tem que ser uma história. É para a aula de português e a cada mês temos que ler um livro diferente. Lembra, agora estou lendo As aventuras do caça-feitiço...

— É verdade... Bom, para sua sorte eu sei o livro perfeito e, para melhorar, temos ele em casa.

— Qual é?

— O Mundo de Sofia... E pensando bem, acho que foi nele que ouvi falar pela primeira vez sobre esse tal de Berkeley...

E esse foi o resumo dessa noite cheia de filosofia e questões interessantes sobre o universo e uma árvore que cai e faz barulho (ou não cai... na ausência de um espectador). Minha intenção foi apenas registrar em diário esse momento familiar feliz, o meu orgulho da Diana e da Michelly, que estão se tornando duas meninas questionadoras sobre a orientação da minha esposa Lilian e a minha.

Fico por aqui (ou fico aqui, caso haja alguém em algum lugar para ler esse post, ou talvez eu não fique em parte alguma, caso não haja nenhum player nessas imediações do universo e Deus resolva não me renderizar para economizar recursos...).

Comentários

Minha foto
Éder S.P.V. Gonçalves
Osasco, SP, Brazil
É um ficcionista trevoso; escreve poema, romance e também conto. Mescla tom sério com humor ao falar sobre fantasia, mistério e terror. Mantém um blog onde posta textos por vezes sombrios e temperados com ácido humor.

Postagens mais visitadas deste blog

O Tigre, de William Blake

Ticê: a feiticeira que se tornou a deusa do submundo

Filtrando pelo campo TSK_STATUS

Como configurar os níveis de aprovação no app Meu RH da Totvs?

Carmilla: a vampira de Karnstein

Hajime no Ippo e o Espírito de Desafiante

Drácula: é capaz de controlar os lobos?

A lenda do Mapinguari: tudo o que você precisa saber sobre o monstro da Amazônia

Poema Trevas de Lord Byron

Nomes de gatos pretos: inspirações da literatura fantástica

📮 Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

👁‍🗨 MARCADORES

Curiosidades Leituras crônicas de escritor crônicas de um autor independente O Conde de Monte Cristo Alexandre Dumas filosofia Livros espada e feitiçaria Entretenimento Poemas Fantasia Sombria Memorandos a rua dos anhangás folclore histórias de mistério histórias de terror vampiros Contos literatura gótica Caravana Sombria diário halloween dicas Os Demônios de Ergatan histórias de fantasma lobisomens Bram Stoker Oitocentos Aromas de Devaneio PODCASTS escrita games histórias de aventura sagas Drácula O Leão de Aeris Psicotrápolas lendas lendas urbanas mitologia Atividade Física Conan o Bárbaro Histórias Sobrenaturais de Rudyard Kipling O Governador das Masmorras Rudyard Kipling Via Sombria conan exiles critica social kettlebell lua cheia micro contos natal paganismo sociedade séries Exercícios de Criatividade O Ventre de Pedra arqueologia feriado girevoy sport gyria inteligência artificial krampus krampusnacht masmorras papai noel resenha séries de tv xbox Robert Ervin Howard cultura pagã estrela negra folclore guarani ia liberdade melkor morte quadrinhos Capas Desenvolvimento de Jogos Ilustrações Os Segredos dos Suna Mandís Passeios Space Punkers era hiboriana game designer harpia histórias de horror histórias góticas hq humanidade indicação de séries mangá netflix personagens poema gótico política prisão As Aventuras do Caça-Feitiço Conto Diana Haruki Murakami História J.R.R.Tolkien Joseph Delaney O DIÁRIO DE IZZI Romancista como vocação Sandman V de Vingança Vampiros na literatura Wana anhangás animes aranhas arquivo umbra arte bruxas chatgpt criação de histórias cultura gótica estações do ano facismo fanfic fantasmas festividades gatos pretos godot jogos jurupari mitologia brasileira outono paródia protheus sexta-feira 13 superstições totvs vida vingança A Fênix na Espada Café Holístico Carmilla: a vampira de Karnstein Cristianismo Joseph Conrad Joseph Sheridan Le Fanu O Coração das Trevas O Homem Sem Memória O Mentalista Terry Pratchett age of war anime animes de esporte anotações bruxaria cadernos capa castlevania ceticismo conto de terror cotia crenças criatividade culto aos mortos cultura japonesa cães demônios dia de todos os santos diabo drama educação engines espada evernote família fantasia farmer walk ficção ciêntifica ficção fantástica folclore indígena fotografias funcom hajime no ippo horror cósmico inverno leitores listas lobos lua azul matrix megafauna mitologia indígena monstros natureza notion objetos amaldiçoados opinião palácio da memória podcast ratos reforma sea of thieves sinopse série de terror templo zu lai tigre tutoriais utilidades viagem no tempo vila do mirante vlad tepes wicca xamanismo Áudio-Drama A Arte da Guerra A Balada dos Dogmas Ancestrais A Cidade dos Sete Planetas A Cidadela Escarlate A Ilha do Tesouro A Sede do Viajante A Voz no Broche Age Of Sorcery Akira Toryama Anne Rice Arthur C. Clarke As Mil e Uma Noites As Sombras do Mal Bad and Crazy Barad-dûr Berkely BlackSails Blog Breve encontro com Dracooh de Beltraam Bushido Caninos Brancos Canto Mordaz Carta Para um Sábio Engenheiro Cartas Chuck Hogan Clássicos Japoneses Sobrenaturais Daniel Handler Direitos Iguais Rituais Iguais Discworld Divulgação Doctor Who Dragon Ball Eiji Yoshikawa Elizabeth Kostova Elric de Melniboné Entrevista com o Vampiro Full Metal Alchemist Gaston Leroux Genghis Khan Grande A'Tuin Guillermo Del Toro Hoje é Sexta-Feira 13 e a Lua está Cheia Johann Wolfgang von Goethe Joseph Smith Katana Zero Lemony Snicket Lestat de Lioncourt Lord Byron Lord Ruthven Louis de Pointe du Lac Mapinguari Michael Moorcock Michelly Mordor Musashi Na Casa de Suddhoo Na toca dos ratos letrados Nergal Novela O Chamado Selvagem O Escrínio de Pooree O Fabuloso Maurício e seus Roedores Letrados O Historiador O Hobbit O Jirinquixá Fantasma O Lobo O Lobo das Planícies O Mar O Mundo de Sofia O Ogro Montês O Primeiro Rato Letrado O Rei de Amarelo O Senhor dos Anéis O Sexo Invisível O Sonho de Duncan Parrennes O Tigre O Tigre e o Pescador Obras das minhas filhas October Faction Olga Soffer Os Incautos Os Livros da Selva Os Ratos Letrados Outono o Gênioso Oz Oz City Pedra do Teletransporte Pituxa Polo Noel Atan Red John Rei Ladrão & Lâmina Randômica Richard Gordon Smith Robert E. Howard Robert Louis Stevenson Robert William Chambers Rotbranch Safira Samhain Sarcosuchusimperator Simbad Sobre a Escrita Sociedade Blake Stephen King Stranger From Hell TI Tevildo Thomas Alva Edison Tik Tak Tomas Ward Vida e Morte Wassily Wassilyevich Kandinsky William Blake Wyna daqui a três estrelas Yoshihiro Togashi Yu Yu Hakusho absinto aho aho akemi aleijadinho algoritmos alienígenas aluguel amazônia amor anagramas andarilhos animais de estimação animação ano novo aranha marrom aranha suprema arquétipo artesanato astronomia atalho atitudes autopublicação aves míticas azar balabolka baladas banho frio banho gelado bicicleta bienal do livro biografia blogger bokken boxe bugs caderno de lugar comum calçados militares caminhos escuros carlos ruas carnaval carta do chefe Seatle casa nova casas mal assombradas castelos castelos medievais categorias cavaleiro da lua celebrações pagãs chalupa chonchu chrome cidadania cientista civilização ciência condessa G condomínio configuração consciência conto epistolar coragem cordilheira dos andes crianças criaturas fantásticas criaturas lupinas crimes cultura brasileira cultura otaku cárcere dark rider dark side democracia deusa da lua e da caça dia das crianças dia de finados dia do saci dia dos mortos distopias diy doramas eclipse eclipse do sol eclipse solar ecologia el niño ema encantos esboços escultura escuridão espada de madeira espiritualidade espírito de luta espíritos exoplanetas falta de energia elétrica faça você mesmo feiticeiras feitiçaria feitiços felicidade felipe ferri folclore japonês fome fonte tipográfica fonógrafo fortuna fundação japão game pass gratidão greve gênero hitória hobby homenagem homens humor husky hábitos saudáveis ia para geração de imagens idealismo identidade igualdade de gênero imaginação imaterialismo inquisição jaci jaterê japão japão feudal jogos 2d jogos de plataforma jornada kami katana kendo kraken kraken tinto labirintos labirintos 2D lealdade leitor cabuloso lenda guarani lendas antigas leste leviathan licantropia linguagem de programação literatura literatura fantástica literatura inglesa live action livros infanto juvenis loop lua de morango lugares mal assombrados lógica de programação magia malaquias mandalas mangaká matemática mawé mazolata mboi-tui meio ambiente melancolia memorização mercado de trabalho meu rh microsoft midjourney mitologia grega mitologia japonesa mitologia árabe mitra mizu moccoletto mochila modelo de linguagem modo escuro molossus monograma montanha morgoth morpheus moto motoqueiro mudança mudanças climáticas mulheres mundos método wim hof músicas neil gaiman noite eterna nomes de gatos pretos nona arte nostalgia o que é vida objetos mágicos ogros oração os sete monstros osamu tezuka patriarcado pena pensamentos perpétuos pesadelos pescador piedade piratas pluto pod cast poderes povo nômade povos aborígenes predadores prefácio primavera primeiras impressões problemas profecia pterossauro publicação independente qualidade de vida quarta parede reclamação reflorestamento religião religião de zath rio Pinheiros rio Tietê ritual robôs roc roca roda do ano roma antiga romantismo cósmico romênia roque sacerdotisas de zath samurai de olhos azuis sarcosuchus Imperator saturnalia saturnália saúde segredos seres fantásticos serpente-papagaio sexo frágil sintetizador de voz smilodon sobrenatural sobrevivencialismo solstício solstício de inverno solstício de verão sonhar sophia perennis sorte suna mandís sustentabilidade série tau e kerana teclado telhado telhas de pvc templo de hachiman tempo teoria das cores terror texto em fala ticê tigre dente de sabre totvs carol transilvânia travessão treinamento treino trevas trickster tumba de gallaman tv título um sábado qualquer universidades van helsing varacolaci vendaval verão vida em condomínio vigília da nevasca windows wombo art xintoísmo ymir yokai yokais youkai youkais yule zath zoonoses águia ódio
Mostrar mais