Personagens femininas, uma lista

Atriz Uma Thruman no filme Kill Bill

Neste dia das mulheres, resolvi fazer uma pequena lista das personagens que primeiro vêem à minha cabeça quando penso em bons exemplos de personagens, isto é; personagens que de algum modo fogem de clichês.

Vale lembrar que clichês não são ruins por serem clichês. Não mesmo. Clichês podem ser bons se bem usados (aprendemos isso inclusive assistindo aquele anime sobre dois jovens que querem se tornar mangakás: Bakuman aborda essa questão dos clichês em alguns de seus episódios).

Mas apesar do clichê não ser um problema em si, algumas ideias ruins tornam-se um problema quando viram clichês. Neste caso eu procuro evitá-las ao máximo, tanto em meus textos quanto na mídia que eu consumo.

Um exemplo bastante simples e que faz bastante sentido no dia de hoje é o clichê da "Princesa que precisa ser salva pelo príncipe".

Esta é uma ideia tão ruim que mesmo a Disney (uma das maiores replicadoras deste mito da "mulher que precisa ser salva") veêm revendo suas novas histórias com personagens femininas.

Particularmente eu acredito que isto começou com o filme Valente. Depois Frozzen e Moana (filmes que eu vi com minha filha e em relação aos quais eu não precisei fazer um monte de ressalvas a este respeito).

Agora voltemos a minha lista:

Princesa Tiabeanie, protagonista da série (Des)encanto da Netflix


Esta personagem é simplesmente incrível. Ela é uma destruídora de clichês, com toda certeza.
Beanie (como é mais conhecida) é a princesa da Terras dos Sonhos e, bem, sua história começa quando recebe um presente de casamento um tanto quanto diferente: um demônio pessoal, chamado Lucy.
Aproveitem para assistir à nova temporada




Princesa Youko Nakajima, da série The Twelve Kingdoms (uma série literária que virou anime).


A protagonista dessa história é um caso interessante por dar um exemplo de descontrução. Youko começa sua jornada como uma adolescente condicionada à tradicional cultura japonesa da década de 90 (creio eu ser a década de 90), e neste sentido ela cresce como uma menina acostumada a se anular para agradar aos outros: aos pais, professores, colegas de classe, etc.
Porém, quando se vê lançada no fabulos mundo dos Doze Reinos, as aventuras e dificuldades que enfrenta pelo caminho vão mudando seu carater; ou melhor, fazem com que ela questione se estava vivendo sua vida como "quem ela realmente era" ou como "os outros gostariam que ela fosse". A partir daí vemos um crescimento e amadurecimento da personagem que é coisa rara de ser em histórias de fantasia.




A Noiva, protagonista do filme Kill Bill


Esta personagem é uma das primeiras mulheres que me lembro de terem derrubado o clichê da "princesa precisa ser salva pelo príncipe".
A Noiva vai de vítima de um homem cruel e covarde para uma assassina brucuto sem igual. Bom, é verdade que A Noiva já era uma assassina antes do atentado que sofre no ínicio do filme, mas isto não vem ao caso.
O importante é que os dois filmes desta franquia são incríveis e A Noiva é uma das personagens femininas mais fortes que eu já vi.

Inclusive, segue abaixo a sinopse oficial do filme:

A ex-assassina conhecida apenas como "A Noiva" acorda de um coma de quatro anos decidida a se vingar de Bill, seu ex-amante e chefe, que tentou matá-la no dia do casamento. Ela está motivada a acertar as contas com cada uma das pessoas envolvidas com a perda da filha, da festa de casamento e dos quatro anos da sua vida. Na jornada, "A Noiva" é submetida a dores físicas agoniantes ao enfrentar a inescrupulosa gangue de Bill, o Esquadrão Assassino de Víboras Mortais.




Noi de DoroHeDoro

Uma assassina bastante carismática e que adora ir para a porrada por pura diversão, esta é Noi, uma feitiçeira que vive em um mundo bizarro dividido em duas partes: o mundo dos Feitiçeiros e o Buraco. Embora ela não seja a protagonista dessa história, Noi é uma personagem secundária que me marcou por quebrar um clichê bastante específico do universo feminino; o mito de que toda personagem feminina possui um físico de "princesa acostumada a não levantar um dedo para carregar peso".

O problema deste clichê é que, para começar, mesmo entre "princesas" acostumadas a não realizar atividades físicas não existe um padrão corporal, afinal, as pessoas possuem biotipos diferentes, independente da rotina de exercícios que realizam e/ou deixam de realizar. Além disso, quando olhamos para os personagens masculinos com super força, treinamento em combate, entre outros atributos comuns à classe guerreira, vemos homens com físicos que condizem com suas aptidões físicas. Afinal, é de se esperar que um homem que consiga derrotar oito adversários ao mesmo tempo tenha um corpo musculosa e treinado. Então, por qual motivo uma personagem feminina capaz do mesmo feito não possui um corpo com músculos à altura do desafio? Esta é óbviamente uma forma "sutíl" de dizer que este não é um físico adequado para mulheres. Claro que, além de clichê, esta alegação é um mito: mulheres fortes e guerreiras não só podem como devem ter um físico a altura dos desafios que se apresentam para este tipo de personagem.
Aliás, o que eu estou falando a respeito deste tópico não é só uma verdade que deva ser representada na ficção, como também é uma verdade no mundo real. Basta olharmos para as atletas de força ou ainda, lermos um pouco sobre as descobertas arqueológicas recentes e que apontam para o fato de que as mulheres da pré-história não eram "donas de casa" às quais vivem realizando tarefas domésticas nas cavernas enquanto os homens saiam para caçar. Longe disso, as mulheres eram protagonistas lado a lado com os homens (e não raras vezes na liderança) na luta pela sobrevivência. Estas mulheres eram fortes e tinham um físico condizente com seus desafios.

Deixa alguns artigos sobre o tema para quem se interessar:



Descoberta de esqueleto de uma caçadora com 9 mil anos revelou que a forma como pensamos os hábitos dos americanos pré-históricos é influenciada por papéis de gênero modernos, segundo uma nova pesquis...

Leia mais em: https://super.abril.com.br/historia/mulheres-tambem-cacavam-na-america-pre-historica-sugere-estudo/


Gênero e Pré-História – Site Arqueologia e Pré-História


Um estudo da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, revela que as mulheres pré-históricas tinham braços mais fortes que até mesmo os das campeãs de remo dos dias de hoje.

Leia mais em: https://www.bbc.com/portuguese/geral-42179093

Voltando para a personagem Noi, ela quebra o clichê mostrando que além de ser uma personagem forte e com habilidade de luta muito acima da média, ela demonstra isso em seu físico avantajado, típico de uma bodybuilder.

Abaixo o trailer oficial desta série que adpta o mangá de mesmo nome da Japonesa Q. Hayshida.




Finalizo por aqui a minha lista de personagens femininas que me marcaram na cultura pop. Mas há outras personagens (como Michael Burnham de Star Trek: Discovery, Olivier Mira Armstrong de FullMetal Alchimist, entre outras), que infelizmente não citarei aqui hoje por falta de tempo.

Recomendo todas as obras acima, pois a ficção nos ajuda a questionar nossa visão de mundo.

Comentários

Populares

Poema O Ogro Montês

Os Demônios de Ergatan: Uma verdade além da névoa da fantasia

Minha foto
Éder S.P.V. Gonçalves
Oz, São Paulo, Brazil
Em uma cabana na montanha vive um monstro. A criatura selvagem é um ficcionista perigoso; escreve poema, romance e também conto. Em tom sério (e às vezes também com humor) fala sobre fantasia, mistério e terror. Mil hobbys ele tem; até desenvolvedor de jogos, podcaster e programador. De vez em quando se veste de humano e anda por cidades cinzentas só para saber como é viver em um cenário de horror. Este é um perigoso Ideário, pois é o caderno de anotações de um monstro polimático.