Drácula e Carmilla: uma crítica ao moralismo cristão na literatura gótica

Carmilla e Drácula em um abraço vampírico

📖

Finalmente, cheguei ao capítulo XVI de Drácula e paro agora para comentar algumas coisas. Eu preciso desse momento para desabafar, antes de retomar essa aventura sombria junto de uma turminha composta apenas por "cidadãos da elite", liderados pelo Dr. Van Helsing. Apesar da coleção de diplomas e do conhecimento vasto em tantos campos, ele fala um inglês com sotaque terrível (e que pode muito bem ter inspirado o jeito de falar do mestre Yoda em Star Wars).

Alerto para o fato de que meus comentários e reflexões contêm muitos SPOILERS sobre o livro, então já fiquem avisados.

O meu comentário principal, no entanto, é uma crítica e uma reflexão sobre um traço que observei nesta obra vampiresca de estilo gótico (nesta e também em outra: tanto Drácula quanto Carmilla compartilham similaridades). A crítica e a reflexão que faço são sobre as histórias de vampiro clássicas me parecerem uma alusão a um moralismo decadente e fortemente inspirado por valores cristãos. Bom, talvez eu esteja exagerando em falar isso sobre todas as histórias de vampiro clássicas, pois o meu comentário vale sobretudo para Drácula e Carmilla. Não vou falar das histórias que eu ainda não li. Porém, creio não estar errado em supor que os demais livros da época sigam mais ou menos o mesmo viés desses dois grandes clássicos do tema.

Claro, isso faz parte da literatura gótica: questões morais são abordadas, quase sempre como uma forma de manifestar a hipocrisia da sociedade da época diante de várias questões envolvendo religião, moralidade, sexo, comportamentos inadequados, etc.

O que me incomodou em Drácula e Carmilla não foi exatamente essa abordagem: ela é esperada e até certo ponto ela é bem trabalhada em ambas as obras.

O problema é quando vemos o reforço de certas ideias e valores (sobretudo valores cristãos). Em Carmilla, por exemplo, podemos dizer que a "mulher" é colocada como "sujeita" a ser mais facilmente influenciada pelas forças das trevas pelo simples fato de as vítimas de Carmilla serem jovens mulheres. Ainda que a história deixe claro que a predileção por mulheres seja uma preferência de Carmilla, os personagens masculinos do livro são os que de fato resolvem o problema e eliminam o "monstro". Laura, a protagonista que narra toda a aventura, fica de fora do processo, tendo conhecimento de como Carmilla foi encontrada e morta em sua cripta por intermédio de terceiros, como seu pai e como o padre especialista em exterminar vampiros, que aparece apenas no final da aventura para pôr um fim aos monstros que assombram aquela região (uma espécie de antecessor espiritual de Van Helsing, se é que podemos chamar assim).

Neste caso, podemos dizer que as mulheres são vítimas do mal e estão sujeitas a ele. Da mesma forma, são os homens os mais preparados para exterminar o mal. De certo modo, vemos aqui a associação do feminino com o mal e do masculino com o bem. Eva e Adão. Valores cristãos reforçados por traços socioculturais representados na literatura da época.

De certo modo, isso era de se esperar. Afinal, não imagino que um trabalho como "cortar a cabeça de uma vampira em sua cripta e depois queimar seu corpo" fosse de fato permitido a uma mulher naqueles tempos; ainda mais uma mulher jovem como era o caso de Laura. Mulheres podem cortar cabeças tão bem quanto homens; eu sei disso, afinal vivo no século XXI e tenho aversão à hipocrisia e às regras sociais (pelo menos as regras que eu considero hipócritas).

Em resumo, veja como me parece injusto que Laura, a protagonista feminina dessa interessantíssima história que é Carmilla, seja o centro de toda a aventura sobrenatural que acompanhamos ao longo de dezenas de páginas para, no final, ela ser colocada de escanteio para que os homens (cavalheiros honrados e cujas posições sociais os tornam mais capazes de decapitar vampiras adormicidas em suas tumbas) entrem em cena e "resolvam" os problemas. Ainda que Carmilla seja um monstro e uma assassina, eu sinto que há algo errado na forma como essa história encontra o seu desfecho. Não estou bem certo do que é esse algo e talvez eu precise escrever muitas e muitas páginas para encontrar a resposta (eu reflito melhor quando escrevo). Deixo isso, porém, para uma outra oportunidade.

Volto para Drácula, sobre o qual eu quero falar sobre o mesmo tropo que citei acima na novela Carmilla. Deixo claro que ainda não terminei de ler Drácula e, portanto, minha opinião ainda não está totalmente formada a respeito do livro como um todo. Creio, porém, que quanto a esse tropo eu já posso bater o martelo: Bram Stoker fez o mesmo que Le Fanu com uma de suas personagens femininas.

Durante a primeira metade do livro, acompanhamos uma série de diários, recortes de jornais e cartas, tanto de personagens masculinos como de femininos. Uma dessas personagens femininas é Lucy, amiga de Mina que por sua vez é a esposa de Harker (o advogado que inicia a obra com o seu diário em que narra sua viagem ao castelo do conde Drácula na Transilvânia).

Lucy é uma mulher jovem e que está noiva. No entanto, ela está fadada a ser transformada em vampira pelo próprio Drácula, que usa de seus poderes tremendos para beber o sangue da jovem noite após noite, apesar das tentativas de proteção empregadas pelo Dr. Van Helsing, quando este é chamado para examinar a misteriosa doença de Lucy (que ele logo desconfia não ser uma doença e sim algo pior: o ataque de um vampiro).

Van Helsing fracassa e Lucy é transformada em vampira após uma sucessão de acontecimentos trágicos e catastróficos em sua casa, na qual até mesmo sua mãe idosa e doente vem a falecer.

Apesar de Lucy não ter tido a mesma sorte de Laura, vemos aqui algumas repetições do referido tropo: vemos novamente uma mulher sucumbir mais facilmente às forças das trevas, afinal Harker foi prisioneiro do próprio Drácula em seu castelo e, apesar de tudo indicar que o jovem advogado encontraria no antro desse terrível monstro a sua morte final ou pelo menos a sua transformação em vampiro, ele consegue escapar com vida, ainda que com sequelas.

Além disso, quem tenta salvar Lucy de seu terrível destino são homens: um jovem médico e o seu professor, ninguém menos que o Dr. Van Helsing, especialista em várias áreas além da medicina, incluindo o conhecimento sobre a existência de vampiros e também sobre como enfrentá-los. Neste ponto do tropo, temos o homem como a criatura com direito divino de possuir tais conhecimentos místicos, o que é negado à mulher (talvez devido à crença de que as mulheres são mais suscetíveis às trevas e, por isso, seria perigoso para elas ter tal conhecimento).

Porém, como eu disse, Van Helsing fracassa em sua primeira tarefa: a de impedir que Lucy se transforme em uma vampira. Porém, ainda é dele (e de seu jovem ajudante) a missão de salvar a alma de Lucy de um tormento eterno, destruindo-a como vampira antes que ela assassinasse algum inocente e com isso acabasse condenando a própria alma ao inferno. E como Van Helsing fará isso? Muito simples: novamente um grupinho de homens deve encontrar a vampira dormindo em seu caixão para então furar seu peito com uma estaca e cortar sua cabeça para quebrar a maldição. Neste caso, o grupinho masculino é formado por dois jovens ex-pretendentes de Lucy: o jovem médico e um estrangeiro, ambos liderados pelo experiente Doutor Van Helsing, que lhes ensina a religiosa arte de matar vampiras em seu leito durante o momento de repouso.

Claro, eu sei que Lucy se tornou um monstro, assim como Carmilla. Mas algo na forma como esses “exorcismos” de mulheres vampiras são contados me incomoda.

Jovens vampiras com rosto pálido e cabelos brancos

A minha crítica é justamente essa: nessas histórias clássicas, o homem representa o bem, e por isso o guia “iluminado” e especialista em caçar vampiros é um homem. Claro que em uma sociedade tão rígida como a da época e tão fortemente influenciada pelas crenças católicas, não delegariam tal função para uma mulher. Mas ainda assim isso me incomoda.

Conforme citei Carmilla antes, o mesmo “modus operandi” ocorre em ambas as histórias: um grupinho de homens entra em cena para desentocar uma vampira lascívia, uma fêmea que troca o dia pela noite para caçar suas vítimas com quem busca aplacar seu desejo insaciável por sangue (ou pelo prazer implacável que sente ao drenar a vida de outros).

Não à toa, parte do repertório de poderes que os vampiros e vampiras apresentam está relacionado com a sedução: um poder quase sempre atribuído às mulheres e ao mal, o pecado original que representam.

Apesar de eu entender que essa é uma história de vampiros, eu entendo também os valores morais e sociais que a sustentam. Neste caso, digo que a visão clássica do vampiro é limitada e problemática ao reforçar certos valores.

Não estou dizendo, com isso, que não gosto de ambos os livros. Ao contrário: eu amo ler Carmilla e Drácula. No entanto, devo ser sincero e falar sobre os problemas que encontro em ambos os roteiros.

Eu acho que a literatura gótica é fantástica e os seus cenários e temáticas servem justamente para mostrar o medos e temores da sociedade vitoriana: sobre tudo os medos que essa sociedade sentia ao confrontar seus desejos e sonhos com o que a religião e os valores morais permitiam.

Um vampiro de olhos vermelhos sujo de sangue
Ainda assim, acho um pouco injusto o fim de Carmilla e Lucy (falo sobre a destruição delas enquanto vampiras). Sei que elas eram monstros e assassinos, mas eu também penso nelas como vítimas não apenas de seus instintos, como também do ponto de vista humano que as descreve, afinal, os ratos vão falar muito mal dos gatos e chamá-los de assassinos enquanto que os gatos vão apenas dizer que estão indo no açougue pegar sua refeição. Ou seja, há uma questão aqui que é a natureza intrinseca de um ser para o qual o humano não passa de alimento.

Felizmente, há outras histórias de vampiros por aí. Dou um destaque super especial para “Entrevista com o Vampiro” de Anne Rice. Nesta obra, Anne muda tudo, sem deixar de ser gótica e sombria em sua trama. Os protagonistas dessa história são os próprios monstros e ver as coisas pelos olhos deles permite também ver além dos mantos hipócritas da sociedade.

Mas deixo para falar sobre Entrevista com o Vampiro em outra oportunidade.

Agora eu preciso voltar para minha masmorra, pois o sol está forte demais.

Até uma próxima noite escura para falarmos de mais assuntos sombrios 🍷🧛‍♂️

Drácula e Carmilla em um cemitério



Comentários

Minha foto
Éder S.P.V. Gonçalves
Osasco, SP, Brazil
É um ficcionista trevoso; escreve poema, romance e também conto. Mescla tom sério com humor ao falar sobre fantasia, mistério e terror. Mantém um blog onde posta textos por vezes sombrios e temperados com ácido humor.

Postagens mais visitadas deste blog

O Tigre, de William Blake

Yokais: as criaturas sobrenaturais do folclore japonês e sua história

Katana Zero

Carmilla: a vampira de Karnstein

Filtrando pelo campo TSK_STATUS

A lenda do Mapinguari: tudo o que você precisa saber sobre o monstro da Amazônia

Nomes de gatos pretos: inspirações da literatura fantástica

Halloween: qual a origem e curiosidades dessa festa cheia de gostosuras e travessuras?

Poema Trevas de Lord Byron

Drácula: é capaz de controlar os lobos?

📮 Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

👁‍🗨 MARCADORES

Curiosidades Leituras crônicas de escritor crônicas de um autor independente O Conde de Monte Cristo Alexandre Dumas Livros filosofia espada e feitiçaria Entretenimento Fantasia Sombria Poemas folclore Memorandos a rua dos anhangás histórias de mistério histórias de terror vampiros Contos literatura gótica Caravana Sombria diário halloween dicas Os Demônios de Ergatan histórias de aventura histórias de fantasma lobisomens Bram Stoker Oitocentos Aromas de Devaneio PODCASTS escrita games sagas Drácula O Governador das Masmorras O Leão de Aeris Psicotrápolas lendas lendas urbanas mitologia Atividade Física Conan o Bárbaro Histórias Sobrenaturais de Rudyard Kipling Rudyard Kipling Via Sombria conan exiles critica social kettlebell lua cheia micro contos natal paganismo resenha sociedade séries séries de tv Exercícios de Criatividade O Ventre de Pedra arqueologia feriado girevoy sport gyria inteligência artificial krampus krampusnacht masmorras papai noel xbox Robert Ervin Howard cultura pagã estrela negra folclore guarani ia indicação de séries liberdade melkor morte quadrinhos Capas Desenvolvimento de Jogos História Ilustrações Os Segredos dos Suna Mandís Passeios Space Punkers era hiboriana game designer harpia histórias de horror histórias góticas hq humanidade mangá netflix personagens poema gótico política prisão As Aventuras do Caça-Feitiço Conto Diana Haruki Murakami J.R.R.Tolkien Joseph Delaney O DIÁRIO DE IZZI O Homem Sem Memória Romancista como vocação Sandman V de Vingança Vampiros na literatura Wana anhangás animes aranhas arquivo umbra arte bruxaria bruxas chatgpt criação de histórias cultura gótica cultura japonesa cães estações do ano facismo fanfic fantasia fantasmas festividades gatos pretos godot jogos jurupari literatura magia mitologia brasileira outono paródia protheus sea of thieves sexta-feira 13 superstições totvs vida vingança A Fênix na Espada Aventura Café Holístico Carmilla: a vampira de Karnstein Cristianismo Joseph Conrad Joseph Sheridan Le Fanu O Chamado Selvagem O Coração das Trevas O Mentalista Terry Pratchett age of war anime animes de esporte anotações bokken cadernos capa castlevania ceticismo conto de terror cotia crenças criatividade criaturas fantásticas culto aos mortos demônios dia de todos os santos diabo drama educação engines espada espada de madeira espiritualidade evernote família farmer walk feitiçaria ficção ciêntifica ficção fantástica folclore indígena folclore japonês fotografias funcom hajime no ippo horror cósmico inverno leitores listas lobos lua azul matrix megafauna mitologia indígena monstros natureza notion objetos amaldiçoados opinião palácio da memória piratas podcast ratos reforma seres fantásticos sinopse sobrenatural série de terror templo zu lai tigre tutoriais utilidades viagem no tempo vila do mirante vlad tepes wicca xamanismo youkais Áudio-Drama A Arte da Guerra A Balada dos Dogmas Ancestrais A Cidade dos Sete Planetas A Cidadela Escarlate A Enciclopédia de Bars A Ilha do Tesouro A Sede do Viajante A Voz no Broche Adaptações do Zorro Age Of Sorcery Akira Toryama Amazon Prime Anne Rice Arthur C. Clarke As Mil e Uma Noites As Sombras do Mal Bad and Crazy Barad-dûr Berkely BlackSails Blog Breve encontro com Dracooh de Beltraam Bushido Caninos Brancos Canto Mordaz Carta Para um Sábio Engenheiro Cartas Chuck Hogan Clássicos Japoneses Sobrenaturais Daniel Handler Direitos Iguais Rituais Iguais Discworld Divulgação Doctor Who Dragon Ball Eiji Yoshikawa Elizabeth Kostova Elric de Melniboné Entrevista com o Vampiro Fantasia Épica Full Metal Alchemist Gaston Leroux Genghis Khan Grande A'Tuin Guillermo Del Toro Hoje é Sexta-Feira 13 e a Lua está Cheia Jack London Johann Wolfgang von Goethe Johnston McCulley Jornada de Autodescoberta Joseph Smith Katana Zero Lemony Snicket Lestat de Lioncourt Lord Byron Lord Ruthven Louis de Pointe du Lac Mapinguari Michael Moorcock Michelly Mordor Musashi Na Casa de Suddhoo Na toca dos ratos letrados Nergal Novela O Escrínio de Pooree O Fabuloso Maurício e seus Roedores Letrados O Feiticeiro de Terramar O Historiador O Hobbit O Jirinquixá Fantasma O Lobo O Lobo das Planícies O Mar O Mundo de Sofia O Ogro Montês O Primeiro Rato Letrado O Rei de Amarelo O Senhor dos Anéis O Sexo Invisível O Sonho de Duncan Parrennes O Tigre O Tigre e o Pescador Obras das minhas filhas October Faction Olga Soffer Os Incautos Os Livros da Selva Os Ratos Letrados Outono o Gênioso Oz Oz City Pedra do Teletransporte Pituxa Polo Noel Atan Red John Rei Ladrão & Lâmina Randômica Richard Gordon Smith Robert E. Howard Robert Louis Stevenson Robert William Chambers Rotbranch Safira Samhain Sarcosuchusimperator Simbad Sobre a Escrita Sociedade Blake Stephen King Stranger From Hell Série Zorro TI Tevildo Thomas Alva Edison Tik Tak Tomas Ward Tortuga Ursula K. Le Guin Valerio Evangelisti Vida e Morte Vó Mais Velha Wassily Wassilyevich Kandinsky William Blake Wyna daqui a três estrelas Yoshihiro Togashi Yu Yu Hakusho Zorro absinto aho aho akemi aleijadinho algoritmos alienígenas alquimia aluguel amazônia amor anagramas andarilhos animais de estimação animação ano novo aranha marrom aranha suprema arquétipo artesanato astronomia atalho atitudes autopublicação aves míticas azar balabolka baladas banho frio banho gelado bicicleta bienal do livro biografia blogger bokuto boxe bugs caderno de lugar comum calçados militares caminhos escuros carlos ruas carnaval carta do chefe Seatle casa nova casas mal assombradas castelos castelos medievais categorias cavaleiro da lua celebrações pagãs chalupa chonchu chrome cidadania cientista civilização ciência condessa G condomínio configuração consciência conto epistolar coragem cordilheira dos andes corsários crianças criaturas lupinas crimes cultura brasileira cultura otaku cárcere dark rider dark side democracia deusa da lua e da caça devaneios dia das crianças dia de finados dia do saci dia dos mortos distopias diy doramas eclipse eclipse do sol eclipse solar ecologia el niño ema encantos esboços escultura escuridão espírito de luta espíritos exoplanetas falta de energia elétrica faça você mesmo feiticeiras feitiços felicidade felipe ferri fome fonte tipográfica fonógrafo fortuna fundação japão game pass gratidão greve gênero harpias histórias de pescador hitória hobby homenagem homens humor husky hábitos saudáveis ia para geração de imagens idealismo identidade igualdade de gênero imaginação imaterialismo inquisição jaci jaterê japão japão feudal jogos 2d jogos de plataforma jornada kami katana kendo kraken kraken tinto labirintos labirintos 2D lealdade leitor cabuloso lenda guarani lendas antigas leste leviathan licantropia linguagem de programação literatura aventuresca literatura fantástica literatura inglesa live action livros infanto juvenis loop lua de morango lugares mal assombrados lógica de programação malaquias mandalas mangaká matemática mawé mazolata mboi-tui meio ambiente melancolia memorização mercado de trabalho meu rh microsoft midjourney mistério mitologia grega mitologia japonesa mitologia árabe mitra miyamoto musashi mizu moccoletto mochila modelo de linguagem modo escuro molossus monograma montanha morgoth morpheus moto motoqueiro mudança mudanças climáticas mulheres mundos método wim hof músicas narrativa navios piratas neil gaiman noite eterna nomes de gatos pretos nona arte nostalgia o que é vida objetos mágicos ogros oração os sete monstros osamu tezuka patriarcado pena pensamentos perpétuos pesadelos pescador piedade piratas do caribe pluto pod cast poderes povo nômade povos aborígenes predadores prefácio primavera primeiras impressões problemas profecia pterossauro publicação independente qualidade de vida quarta parede reclamação reflorestamento religião religião de zath rio Pinheiros rio Tietê ritual robôs roc roca roda do ano roma antiga romantismo cósmico romênia roque sacerdotisas de zath samurai de olhos azuis sarcosuchus Imperator saturnalia saturnália saúde segredos serpente-papagaio sexo frágil sintetizador de voz sistema mágico smilodon sobrevivencialismo solstício solstício de inverno solstício de verão sonhar sophia perennis sorte suna mandís sustentabilidade série tau e kerana teclado telhado telhas de pvc templo de hachiman tempo teoria das cores terror texto em fala ticê tigre dente de sabre totvs carol transilvânia travessão treinameno treinamento treino trevas trickster tumba de gallaman tv título um sábado qualquer universidades van helsing varacolaci vendaval verão vida em condomínio vigília da nevasca windows wombo art xintoísmo ymir yokai yokais youkai yule zath zoonoses águia ódio
Mostrar mais