Crônicas de um Autor Independente: um escritor dando um mal exemplo

23 horas do dia 05 de maio de 2018 — a semana foi muito produtiva e regada ao som de muito Metal

 
Gif da animação Agretsuko onde ela diz: Eu Escrevendo: Não fale comigo! Não mexa comigo! Cuide da sua vida! Eu estou Escrevendo!
Eu Escrevendo: Não fale comigo! Não mexa comigo! Cuide da sua vida! Eu estou Escrevendo!
A verdade é que eu não estou muito a fim de escrever hoje. Talvez seja cansaço ou então sono acumulado… Mas não importa. Vou fazer o que tenho que fazer. E ponto.
Se eu precisar revisitar esse texto para corrigir alguma eventual incoerência ou erro de escrita, o farei. Por hora tenho que tentar manter a minha regularidade.
Esta semana foi a semana em que comemoramos o dia do Trabalhador. Agradeço a este feriado, pois usei o tempo livre para adiantar bastante a revisão do volume 2 de Rumores: dei um salto do capítulo 10 para o 13.
 
Esta é a imagem que selecionei para o capítulo 13. Sempre escolho uma para me ajudar a sintonizar no capítulo em que estou trabalhando.
Esta é a imagem que selecionei para o capítulo 13. Sempre escolho uma para me ajudar a sintonizar no capítulo em que estou trabalhando.
Como eu mencionei aí em cima, foi uma semana regada a muito metal. Uma semana enérgica. Uma semana intensa. E a coisa toda andou muito bem.
Mas não é hora de contar vantagem.
Ainda tenho uns bons capítulos pela frente.
Tenho de terminar o 13 e seguir em frente até o de numero 22.
Quando eu completar esta meta (ok, faça a piada sobre a multiplicação por 2, sei que ela é inevitável), aí sim será possível liberar o texto para os leitores beta começaram a sua leitura critica desse monstrinho.
Sobre o trabalho de revisão, acho interessante falar sobre coisas relacionados ao trabalho em si. Por isso vou comentar algo que aconteceu em um dos capítulos que eu revisava essa semana — mais especificamente o capítulo 11:
Quando eu estava começando o capítulo 13, senti um forte impulso de voltar lá atrás e adicionar um pouco de texto e depois um pouco mais de texto, e depois um pouco mais.
Ok, isso é natural em uma revisão: nós temos que tirar texto e adicionar texto para deixar a coisa toda bem calibrada, bem lubrificada e balanceada.
Mas, as vezes nos sentimos impelidos a fazer algo mesmo quando este algo não é necessário.
A isso eu chamo de síndrome de “eu posso escrever um pouco mais”.
Talvez eu houvesse avançado um pouco mais, se não houvesse esbarrado com a famigerada síndrome.
Esta é uma força contra a qual temos que lutar, mas que não é tão fácil de vencer.
Criadores me entenderão!
 
Em literatura, não admito sistema, não sigo escola, não desfraldo bandeiras: entreter e magnetizar, estas são minhas únicas regras
“Em literatura, não admito sistema, não sigo escola, não desfraldo bandeiras: entreter e magnetizar, estas são minhas únicas regras.”
Mas tudo que faço, haja algum exagero de minha parte ou não, é para atrair e magnetizar o leitor, ao melhor estilo do mestre Alexandre Dumas.
“Em literatura, não admito sistema, não sigo escola, não desfraldo bandeiras: entreter e magnetizar, estas são minhas únicas regras.”
Claro, longe de mim querer comparar a minha capacidade com a desse gigante. Mas à despeito do meu talento, sigo ao máximo a máxima de Dumas.
E é pensando dessa forma que estou sendo minucioso para que este segundo volume permita ao leitor obter uma agradável experiência com a leitura de um livro em que o fantástico e o corriqueiro se confundem de maneira original. Sem os enfadonhos clichês que abarrotam livros de ficção fantástica— e sobre isso cabe uma nota explicativa.
Diga-se de passagem que não tenho nada contra clichês. Quando reclamo dos enfadonhos clichês de livros de fantasia refiro-me a livros em que os clichês são tão mal usados que se tornam evidentes demais.
Esta é uma regra de ouro para qualquer um que quiser escrever — sejam romances, contos, roteiros, e-mails, placas, etc — algo que seja minimamente aceitável: não deixe que os clichês que estiver usando tornem-se aparentes. Para isso, enquanto você mesmo; escritor, estiver identificando esses clichês em seu próprio texto e lembrando de outras obras em que eles aparecem, é porque o seu texto ainda não está bom o bastante.
Neste caso, reescreva. Mude o que for preciso. Destrua o texto para poder reconstruí-lo. Misture ideias que a principio não estejam relacionadas.
 
Ilustração circular abstrata demonstrando as etapas da Jornada do Herói
Como já dei a entender, eu não gosto de escrever seguindo estruturas rígidas, como métodos de escrita, ou estilos de escrita. Mas usarei como exemplo um “método” de escrita bastante comentado, incentivado e deveras difundido no mundo dos roteiros: falo da Jornada do Herói.
Resumidamente “A Jornada do Herói” é um conjunto de clichês que se repetem em vários tipos de narrativa. E usam esse conjunto de clichês para formar uma estrutura padrão em cima da qual várias histórias diferentes podem ser criadas. É mais ou menos como um alicerce padrão sobre o qual você pode levantar vários tipos de casas e dar a elas diferentes tipos de acabamento.
Eu particularmente não faço uso desse método e não gosto sequer de pensar em escrever usando um método como esses — fazer o quê, é como minha cabeça estranha funciona.
Eu acho que usando algo assim vou fazer algo medíocre, limitado e muito parecido com outros milhares de trabalhos criados usando a mesma metodologia. Além do que, o método permite criar infindáveis tipos de “casas” se bem usado. Mas se você quiser construir um “castelo” ou uma “tenda” ou uma “Xinfonifera”, ele não será muito apropriado — mas isso já é uma outra história.
Mas essa minha sensação É coisa da Minha Cabeça; uma mistura de superstição com meu jeito pessoal de criar coisas. Eu funciono assim e ponto — e embora possa mudar, não quero, porque existem outras formas de se fazer as coisas.
Agora, não posso deixar de dizer que há quem use esse método e crie trabalhos incríveis. E ponto.
E como sei que são incríveis esses trabalhos de que falo; criados com esse método?
Simples: não dá para perceber que eles foram criados com esse método. Os clichês da “Jornada do Herói” foram usados de forma tão brilhante e única que você sequer os reconhece nas obras.
 
Ilustração estilizada dos personagens da animação Avatar, a lenda de Aang
Se você não assistiu esse desenho ainda, faça um favor a si mesmo e vá assistir. Se eu fosse um pouco pilantra ia usar uma tática suja para convencer: ia escrever assim: Não Assista a esse Desenho! É Sério! (tenho certeza que com essa advertência o impulso de ir correndo assisti-lo seria quase irresistível para a maioria das pessoas.
Darei um exemplo aqui: o roteiro de “Avatar — A Lenda de Aang” é construído em cima de “A Jornada do Herói”. E o roteiro de “Avatar” é brilhante.
Para quem não sabe, “Avatar” é um desenho animado de fantasia, em que um universo rico e complexo foi criado do zero pelos seus criadores. Há várias nações neste mundo fictício e cada uma delas possui seus costumes. Os personagens são carismáticos e absurdamente críveis. Suas personalidades são naturais. E o mais interessante é que a luta entre o bem e o mal soa tão natural neste mundo que você demora para perceber que o que está rolando é um velho clichê da luta do bem contra o mal — é sério, não parece mesmo um clichezão. Mas é. E o fato de não parecer um clichezão é ótimo.
Não vou me estender muito mais falando do desenho ou explicando o que quer que seja sobre ele. Nem sobre a “Jornada do Herói”. Não é minha proposta aqui. Só usei esses dois exemplos para explicar sobre o que considero clichês mal usados em ficção fantástica.
Vou dar um exemplo de clichê mal usado nessa área sem citar nenhuma obra. A melhor forma de fazer isso é colocando abaixo um exemplo inventado agora — tipo pastel feito na hora:
Esta é uma história sobre um aldeão que herdou de um tio distante — de quinto grau — uma espada amaldiçoada. Infelizmente para ele não é possível renunciar à herança tão facilmente. Com isso a espada irá transformá-lo pouco a pouco em uma criatura das trevas sem coração. A única forma de quebrar a maldição é usar a arma maldita para destruir um demônio ainda mais poderoso. E eis que o nosso “improvável” herói se lança em uma jornada épica para destruir o lorde das trevas que estava em vias de invadir o seu país para mergulhá-lo em uma era de escuridão.
Assinado: um escritor dando um mal exemplo
 
Drácula e sua filha no filme Hotel Transilvânia
Bla bla bla. Viram como é fácil escrever qualquer coisa usando clichês? Mas quando digo qualquer coisa, me refiro a qualquer coisa ruim.
Não quero soar como um chato detentor da grande sabedoria.
Mas não façam isso.
Basta que você tenha isto em mente: clichês devem ser Bem usados. Use-os bem ou Não os Use.
 
Mestre Yoda
Como diria a pequena criatura verde:
Não faça ou faça. Tentar não há!
Há outra coisa ainda que você deve sempre ter em mente, e talvez eu vá repetir muito isso em meus futuros textos e por isso já peço desculpas pela insistência futura:
Não levem a sério qualquer cagação de regra em assuntos relacionados a criação.
Por tanto, desconsiderem a minha advertência anterior — sobre o uso de clichês. Eu só precisei desabafá-la. Mas ela não é importante. E muito provavelmente você vai aprender tudo o que eu disse acima sozinho, tentando e tentando. E provavelmente demorará muito para que você consiga algo satisfatório. Independentemente de qualquer coisa que alguém pretensamente tente te ensinar sobre isso.
 
Cartaz do filme o Sétimo Filho: adaptação de As Aventuras do Caça-Feitiço
Distúrbios criativos à parte, a semana também foi de uma agradável surpresa com o livro que estou lendo: As Aventuras do Caça-Feitiço: O Aprendiz.
Estou a 21% nesta empreitada — como estou lendo em ebook, não sei precisar em que página me encontro.
Eu sabia que era um bom livro. Mas não sabia que era Muito Bom.
Embora eu ainda esteja no começo, posso dizer que algo marcante chamou minha atenção:
O autor consegue prender o leitor com pequenas coisas; usando medos simples e universais. Ele não apela para coisas absurdamente fantásticas logo de cara. Isso não é necessário.
Outra coisa interessante sobre o texto é que o autor não parece ter pressa em explicar a história. Eu particularmente gosto disso. Prefiro degustar o livro de vagar, sem pressa, saboreando outros aspectos menores e não menos importantes do universo que se descortina aos olhos de nossa mente a cada palavra lida.
Obrigado Joseph Delaney. Você agora também será um dos meus mestres. Irei roubar seus poder… Quero dizer. Irei aprender com você.
 
Capa do livro Histórias Sobrenaturais de Rudyard Kipling
Quer aprender a escrever contos? Então leia este cara e suas Histórias Sobrenaturais.
Também li um pouco mais de outros dois mestres: Rudyard Kipling e Sahrazad (mais conhecida como Xerazadi — a grafia Sahrazad eu estou copiando do livro traduzido por Mamed aqui para o Brasil). Os livros, no caso, são “Histórias Sobrenaturais de Rudyard Kipling” e “O Livro das Mil e Uma Noites”.
Pensando agora sobre o que aprendi com os dois essa semana, devo dizer que em ambos os casos, como verdadeiros mestres do conto, eles são absurdamente céleres em fazer com que muita coisa aconteça com poucas palavras.
 
Sabe quem inventou aquele ganho na história que te prende e te faz continuar lendo o próximo capítulo e próximo e próximo? Pois é! Foi ela: Xerazadi. Estudem As Mil e Uma Noites e vejam o que lhes acontecerá.
Sabe quem inventou aquele ganho na história que te prende e te faz continuar lendo o próximo capítulo e próximo e próximo? Pois é! Foi ela: Xerazadi. Estudem As Mil e Uma Noites e vejam o que lhes acontecerá.
Xerazadi nos leva de um acontecimento insólito para o outro com uma velocidade que sequer somos capazes de acompanhar. Enquanto que Rudyard Kipling é do tipo que vai direto ao ponto: o conto é sobre isso; o que vem antes e o que virá depois não importam. E sem muitos rodeios ele fala o que precisa sobre o acontecimento em questão e finaliza a coisa toda sem maiores floreios.
Claro, em se tratando de contos não poderia ser de outra forma, uma vez que o conto não tem o antes e nem o depois da história. O conto é só o meio da coisa toda.
Mas ainda assim fico impressionado em ver como a coisa se desenrola com estes dois autores.
Devo dizer que Alexandre Dumas também foi aluno de Xerazadi e com ela ele aprendeu a levar essa celeridade para os Romances de Folhetim.
Bom, gostaria de escrever/falar mais. Ainda mais falar sobre as curiosidades que vou aprendendo aos poucos sobre estes autores.
Mas devo ficar por aqui. Já são 01.38 do dia 6 de maio de 2018 e para quem não queria escrever eu até que me estendi demais — deve ser o som do Metal correndo pelas minhas veias e me fazendo acordar quando eu deveria estar dormindo.
Vou ficando por aqui. Terminarei de ouvir algumas faixas. Vou descansar e dormir. E me preparar para mais uma semana de trabalho, trabalho e trabalho.
Desculpe qualquer coisa e até a próxima.
 
Ilustração do anime D.M.C.
Qualquer dia escrevo sobre a importância do acompanhamento sonoro na escrita — talvez eu faço isso, mas isso não é uma promessa.
 

Comentários

Minha foto
Éder S.P.V. Gonçalves
Osasco, SP, Brazil
É um ficcionista trevoso; escreve poema, romance e também conto. Mescla tom sério com humor ao falar sobre fantasia, mistério e terror. Mantém um blog onde posta textos por vezes sombrios e temperados com ácido humor.

Postagens mais visitadas deste blog

O Tigre, de William Blake

Filtrando pelo campo TSK_STATUS

Carmilla: a vampira de Karnstein

Hajime no Ippo e o Espírito de Desafiante

Como configurar os níveis de aprovação no app Meu RH da Totvs?

Drácula: é capaz de controlar os lobos?

Ticê: a feiticeira que se tornou a deusa do submundo

Sea Of Thieves: Skin do Kraken Tinto

Testando o MidJourney para criar uma capa para a Rua dos Anhangás

Aranha Gigante em Conan Exiles

📮 Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

👁‍🗨 MARCADORES

Curiosidades Leituras crônicas de escritor crônicas de um autor independente O Conde de Monte Cristo Alexandre Dumas filosofia Livros Entretenimento espada e feitiçaria Poemas Memorandos a rua dos anhangás histórias de mistério histórias de terror vampiros Fantasia Sombria folclore literatura gótica Caravana Sombria Contos halloween dicas diário Os Demônios de Ergatan histórias de fantasma lobisomens Bram Stoker Oitocentos Aromas de Devaneio PODCASTS escrita games histórias de aventura sagas Drácula O Leão de Aeris Psicotrápolas lendas lendas urbanas Histórias Sobrenaturais de Rudyard Kipling O Governador das Masmorras Rudyard Kipling Via Sombria conan exiles critica social kettlebell lua cheia micro contos natal sociedade Atividade Física Conan o Bárbaro Exercícios de Criatividade O Ventre de Pedra arqueologia feriado girevoy sport gyria inteligência artificial krampus krampusnacht masmorras paganismo papai noel séries xbox Robert Ervin Howard estrela negra folclore guarani ia liberdade melkor mitologia morte resenha séries de tv Capas Desenvolvimento de Jogos Ilustrações Os Segredos dos Suna Mandís Passeios Space Punkers cultura pagã era hiboriana game designer harpia histórias de horror histórias góticas hq humanidade personagens poema gótico política prisão quadrinhos As Aventuras do Caça-Feitiço Conto Diana Haruki Murakami História J.R.R.Tolkien Joseph Delaney O DIÁRIO DE IZZI Romancista como vocação Sandman V de Vingança Vampiros na literatura Wana anhangás animes aranhas arquivo umbra arte bruxas chatgpt criação de histórias cultura gótica estações do ano facismo fanfic fantasmas festividades gatos pretos godot jogos jurupari mangá mitologia brasileira netflix outono paródia protheus sexta-feira 13 superstições totvs vida vingança A Fênix na Espada Café Holístico Carmilla: a vampira de Karnstein Cristianismo Joseph Conrad Joseph Sheridan Le Fanu O Coração das Trevas O Homem Sem Memória O Mentalista Terry Pratchett age of war animes de esporte anotações bruxaria cadernos capa castlevania ceticismo conto de terror cotia crenças criatividade culto aos mortos demônios dia de todos os santos diabo drama educação engines evernote fantasia farmer walk ficção ciêntifica ficção fantástica folclore indígena fotografias funcom hajime no ippo horror cósmico indicação de séries inverno leitores listas lobos lua azul matrix megafauna mitologia indígena natureza notion objetos amaldiçoados opinião palácio da memória podcast ratos reforma sea of thieves sinopse templo zu lai tigre tutoriais utilidades viagem no tempo vila do mirante vlad tepes wicca Áudio-Drama A Arte da Guerra A Balada dos Dogmas Ancestrais A Cidade dos Sete Planetas A Sede do Viajante A Voz no Broche Age Of Sorcery Anne Rice Arthur C. Clarke As Sombras do Mal Bad and Crazy Barad-dûr Berkely Blog Breve encontro com Dracooh de Beltraam Bushido Canto Mordaz Carta Para um Sábio Engenheiro Cartas Chuck Hogan Daniel Handler Direitos Iguais Rituais Iguais Discworld Divulgação Doctor Who Eiji Yoshikawa Elizabeth Kostova Elric de Melniboné Entrevista com o Vampiro Full Metal Alchemist Gaston Leroux Genghis Khan Grande A'Tuin Guillermo Del Toro Hoje é Sexta-Feira 13 e a Lua está Cheia Johann Wolfgang von Goethe Joseph Smith Katana Zero Lemony Snicket Lestat de Lioncourt Lord Byron Lord Ruthven Louis de Pointe du Lac Mapinguari Michael Moorcock Michelly Mordor Musashi Na Casa de Suddhoo Na toca dos ratos letrados Nergal Novela O Escrínio de Pooree O Fabuloso Maurício e seus Roedores Letrados O Historiador O Hobbit O Jirinquixá Fantasma O Lobo O Lobo das Planícies O Mar O Mundo de Sofia O Ogro Montês O Primeiro Rato Letrado O Rei de Amarelo O Senhor dos Anéis O Sexo Invisível O Sonho de Duncan Parrennes O Tigre O Tigre e o Pescador Obras das minhas filhas Olga Soffer Os Incautos Os Livros da Selva Os Ratos Letrados Outono o Gênioso Oz Oz City Pedra do Teletransporte Polo Noel Atan Red John Rei Ladrão & Lâmina Randômica Robert William Chambers Rotbranch Samhain Sarcosuchusimperator Sobre a Escrita Sociedade Blake Stephen King Stranger From Hell TI Tevildo Thomas Alva Edison Tik Tak Tomas Ward Vida e Morte Wassily Wassilyevich Kandinsky William Blake Wyna daqui a três estrelas Yoshihiro Togashi Yu Yu Hakusho absinto aho aho akemi aleijadinho algoritmos alienígenas aluguel amazônia amor anagramas andarilhos animais de estimação animação anime ano novo aranha marrom aranha suprema arquétipo astronomia atalho atitudes autopublicação azar balabolka baladas banho frio banho gelado bicicleta bienal do livro biografia blogger boxe bugs caderno de lugar comum calçados militares caminhos escuros carlos ruas carnaval carta do chefe Seatle casa nova casas mal assombradas castelos castelos medievais categorias cavaleiro da lua celebrações pagãs chalupa chonchu chrome cidadania cientista civilização ciência condessa G condomínio configuração consciência conto epistolar coragem cordilheira dos andes crianças criaturas lupinas crimes cultura brasileira cultura otaku cárcere cães dark rider democracia deusa da lua e da caça dia das crianças dia de finados dia do saci dia dos mortos distopias doramas ecologia el niño ema encantos esboços escuridão espada espírito de luta espíritos exoplanetas falta de energia elétrica feiticeiras feitiçaria feitiços felicidade felipe ferri fome fonte tipográfica fonógrafo fortuna fundação japão game pass gratidão greve gênero hitória homens humor hábitos saudáveis ia para geração de imagens idealismo identidade igualdade de gênero imaginação imaterialismo inquisição jaci jaterê japão japão feudal jogos 2d jogos de plataforma jornada kami kraken kraken tinto labirintos labirintos 2D lealdade leitor cabuloso lenda guarani leste leviathan licantropia linguagem de programação literatura inglesa live action livros infanto juvenis loop lua de morango lugares mal assombrados lógica de programação malaquias mandalas matemática mawé mazolata mboi-tui meio ambiente melancolia memorização mercado de trabalho meu rh microsoft midjourney mitologia grega mitra mizu moccoletto mochila modelo de linguagem modo escuro molossus monograma monstros montanha morgoth morpheus moto motoqueiro mudança mudanças climáticas mulheres mundos método wim hof músicas neil gaiman noite eterna nomes de gatos pretos nona arte nostalgia o que é vida objetos mágicos ogros oração os sete monstros osamu tezuka patriarcado pena pensamentos perpétuos pesadelos pescador piedade pluto pod cast poderes povo nômade predadores prefácio primavera primeiras impressões problemas profecia pterossauro publicação independente qualidade de vida quarta parede reclamação reflorestamento religião religião de zath rio Pinheiros rio Tietê robôs roda do ano roma antiga romantismo cósmico romênia sacerdotisas de zath samurai de olhos azuis sarcosuchus Imperator saturnalia saturnália saúde segredos seres fantásticos serpente-papagaio sexo frágil sintetizador de voz smilodon sobrevivencialismo solstício solstício de inverno solstício de verão sonhar sophia perennis sorte suna mandís sustentabilidade série de terror tau e kerana teclado telhado telhas de pvc templo de hachiman tempo teoria das cores terror texto em fala ticê tigre dente de sabre totvs carol transilvânia travessão treinamento treino trevas trickster tumba de gallaman tv título um sábado qualquer universidades van helsing varacolaci vendaval verão vida em condomínio vigília da nevasca windows wombo art xamanismo xintoísmo ymir yule zath zoonoses águia ódio
Mostrar mais