Mudando de Endereço: do Ap para Casa


Imagem abstrata de um sobrado habitado por criaturas sobrenaturais

🔨🏡🔨

"A mutação... A inconstância de todas as coisas entre a areia e o céu... És uma certeza, umas das quatro sobre as quais sustenta-se o nosso mundo..."

— Éder S.P.V. Gonçalves (O Homem sem Memória: o Ventre de Pedra)

Já estamos em Agosto e esse Blog não viu nenhuma atualização durante todo o mês de Julho. Há um motivo para isso; um bom motivo.

Minha esposa (de óculos) e eu saindo condomónio onde morávamos
Eu fiz uma grande mudança durante o mês de Julho; uma mudança de endereço que envolveu reforma, carreto, dias acordando cedo e dormindo tarde e todo tipo de desconforto e transtorno típicos de um desafio desse tipo.

Faz bastante tempo que minha esposa e eu estamos planejando nossa mudança do pequeno apartamento onde morávamos no Santa Maria em Osasco para uma casa. É importante frisar que nossa filha e nossa sobrinha concordaram com esse projeto e como todos estávamos de acordo, nós quatro nos empenhamos para concretizar esse trabalho hercúleo; nos empenhamos como John Wick se empenharia para eliminar um alvo: com foco, compromisso e determinação.

Os motivos para desejar essa mudança foram muitos e não é preciso elencar todos aqui, mas eu quero aproveitar a oportunidade para elencar ao menos alguns desses motivos enquanto reflito em retrospectiva sobre o assunto.

Preferência

Minha filha, com estilo de rapper, me ajudando na reforma Morar em apartamento é uma necessidade para alguns e uma preferência para outros. No que me diz respeito, morar em apartamento foi uma necessidade na minha vida e não mais que isso. Nunca gostei de apartamentos e da ideia de morar em um prédio. Por muito tempo o apartamento me foi útil, mas nunca agradável. Acredito que mesmo desconsiderando os demais motivos dessa lista e pensando de forma simplista (com base unicamente no meu gosto pessoal), eu ainda preferiria morar em uma casa do que em um apartamento. E se por um acaso eu tivesse que escolher entre uma casa em um condomínio e uma casa fora de condomínio, eu preferiria uma casa fora de condomínio. Gosto da minha liberdade e individualidade; e morar em um prédio ou mesmo em uma casa em condomínio tira um pouco dessa liberdade e individualidade.

Aluguel Eterno

Minha filha, com estilo de rapper, cansada após um longo dia de trabalho Outro aspecto que sempre pesou na minha aversão à ideia de morar em apartamentos foi o valor mensal do condomínio. O motivo da minha aversão em pagar mensalmente um valor de condomínio é bem simples: na minha infância eu acompanhei de perto a luta dos meus pais para conseguir a casa própria e eu sempre ouvia deles que não valia a pena pagar aluguel se pudessemos investir na nossa própria casa. Claro que após conseguir a casa própria, ainda se paga o IPTU para o município e isso é como se fosse o valor de um "condomínio" municípal para que a prefeitura mantenha a infraestrutura urbana. Mas é um valor pequeno se comparado com o valor de um aluguel.

Devido a esse meu histórico, sempre me pareceu estranho pensar que após conseguir sua "casa própria" na forma de um apartamento nós não nos livramos do aluguel, visto que somos obrigados a pagar eternamente um valor de condomínio (além do IPTU; que não deixamos de pagar).

Claro que o valor do condomínio é necessário e obrigatório para se manter a infraestrutura do residencial (seja de prédios ou casas). Sei bem disso, pois participei ativamente da administração do condomínio onde vivi nos últimos treze anos (como morador participativo nas assembléias, como conselheiro, como subsíndico e até mesmo como síndico por uns 6 meses).

Mas, apesar de eu saber que o valor do condomínio é necessário para se manter essa infraestrutura, eu sei também que em teoria as pessoas deveriam receber tudo o que tem na infraestrutura de um condomínio em sua própria cidade (laser, conforto, segurança, etc). Neste aspecto, as pessoas buscam nos condomínios aquilo que as cidades não conseguem oferecer (mas que deveriam, visto que o IPTU é pago para isso, sem falar em outros impostos). O bizarro é que as pessoas acabam pagando duas vezes pela mesma coisa, acreditando que ao pagar pela segunda vez vão obter o que desejam... Mas aí é que a coisa fica estranha: os moradores nunca estão satisfeitos com o que o condomínio oferece, alguns brigam para obter o que acham que devem receber enquanto outros optam por não se manifestar. No final, o condomínio se torna uma mini-cidade dentro de uma grande cidade, com os mesmos problemas e sintomas, dificuldades de infraestrutura, desigualdade social e discórdia generalisada. E as pessoas pagam por isso tudo duas vezes: no IPTU e no valor do condomínio que mensalmente lhes é cobrado.

Friso novamente que sim, as pessoas devem pagar o valor do condomínio para manter a infraestutura dos prédios e demais estruturas dos residenciais em que moram (como por exemplo: piscinas, quadras, salão de festa, funcionários, etc). Justamente por terem a obrigação de pagar por isso, estão em seu direito de brigar pelo que desejam de melhor para suas vidas e de seus filhos. Mas não deveria ser assim também com o IPTU do município em que moram? Não seria melhor brigar para que a cidade funcione melhor? Para que a cidade seja mais segura? Para que a cidade tenha mais laser, mais conforto e etc? Afinal, as cidades são o primeiro modelo de condomínio que as pessoas inventaram a bastante tempo para poderem viver com mais conforto.

Eu não vejo sentido em condomínios por causa disso: são iscas para as pessoas pagarem para obter algo pelo que já estão pagando, sem a real garantia de que vão obter isso (raramente obtém, vide os vários exemplos de condomínios falidos, mal administrados e com moradores insatisfeitos).

Se no final das contas, tudo o que você quer é um teto sobre sua cabeça, é melhor pensar duas vezes antes de acreditar na ilusão do conforto e "luxo" que os condomínios oferecem. Mas, verdade seja dita: a maioria das pessoas que optam por morar em condomínios o fazem não por escolha, mas simplesmente por que as casas "comuns" são ainda mais caras do que essas pequenas casinhas empilhadas umas sobre as outras.

Liberdade

Também nunca gostei da ideia de perder boa parte da liberdade que temos ao morar em uma casa; não falo de liberdade para fazer bagunça e nem nada do tipo, afinal eu não sou uma pessoa festeira e que socializa com frequência, pelo contrário: sou uma pessoa caseira e introspectiva, do tipo que gosta da solidão para conversar com a própria mente e que se sente desconfortável na presença de pessoas estranhas ao meu convívio.

A parede do quarto das crianças, após novos conduítes terem sido instalados nas paredes Sendo assim, não falo da liberdade de fazer barulho a qualquer hora ou ouvir música em um volume ensurdecedor. Aliás, mesmo fora de um condomínio existem regras e o barulho excessivo e incômodo é previsto por essas regras (que também chamamos de leis). Neste quesito, a diferença entre condomínios e as regras municipais é que nos condomínios é mais rápido fazer com que essas regras sejam cumpridas (mas nem por isso as dores de cabeça e os desconfortos são menores). No apartamento onde eu morava eu precisava conviver com a música alta das casas do outro lado da rua (ou seja, não adiantava eu reclamar sobre esse barulho dentro do meu condomínio), das empresas ruídosas nessa mesma rua (com seus caminhões e caçambas de entulho) e também com o ruído constante de uma rodovia próxima (o famigerado Rodoanel metropolitano de São Paulo). Além disso tudo, também havia os ruídos do próprio condomínio (salão de festa, playground, etc). Sem contar que a maioria dos condomínios possuí janelas muito próximas e em geral as construtoras não elaboram um isolamento acústico adequado (isso quando há um projeto visando o isolamento acústico). Foto da varanda nos fundos da casa, onde colocamos a nova caixa d'água temporariamente

Ou seja, quem opta por morar em condomínio em busca de silêncio, paz e tranquilidade deve considerar não apenas o condomínio, mas todo o bairro em volta do mesmo e, neste sentido, não vejo diferença entre buscar uma casa de bairro "comum" em busca de paz, tranquilidade e sossego, visto que esses atributos também vão depender do bairro em volta.

Claro que os bairros propícios à paz, tranquilidade e sossego vão ser mais caros (independentemente de você estar buscando por um apartamento ou por uma casa de bairro).

Mas eu divaguei um pouco...

Piso novo na varanda do primeiro andar, de onde removemos uma antiga caixa d'água Falavamos de liberdade ou melhor, da falta de liberdade que sinto em apartamentos. Mas de que liberdade eu estou falando? Bom, de várias: desde poder abrir a cortina da sala sem se preocupar se o vizinho de janela vai ficar olhando para dentro da sua casa como também de poder fazer uma reforma ou alterar a aparência do seu lar sem precisar de uma Assembléia para aprovar as mudanças. É claro que a prefeitura também pode impedir certas mudanças em uma casa de bairro (nos municípios que são mais rigidos quanto a isso), mas em geral as exigências são mais ligadas à questão da segurança do imóvel do que propriamente à sua aparência. Por exemplo: não é permitido transformar um sobrado em um prédiozinho de dez andares simplesmente porque ele não foi projetado para suportar esse peso e consequentemente irá cair se algo assim for feito. Eu estou exagerando na quantidade de andares do exemplo, mas já houveram casos de casas mau projetadas que caíram devido à reformas irregulares desse tipo. Neste sentido é importante que a prefeitura fiscalize e estabelece sim regras para reformas mesmo em casas de bairro. Mas ainda assim a liberdade para as intervenções são bem maiores em casas de bairro, mesmo nestes municípios que possuem regras quanto à aparência das casas.

Foto da parede da sala, Instalação de canduítes na sala Em um apartamento você não pode sequer trocar a cor da sua porta de acesso sem uma assembleia caso as regras aprovadas na implantação do condomínio proíbam isso. Em um apartamento quase tudo precisa ser comunicado ao condomínio: desde trocar o piso do apartamento, mudar as janelas, entre outras coisas. Todas essas pequenas intervenções são mudanças sujeitas à opinião, apreciação e aprovação de um coletivo de pessoas e caso você não dê a sorte de morar em um condomínio com um grupo numeroso de pessoas inteligentes e bem intensionadas, vai ter dificuldades e dores de cabeça ao longo de sua vivência neste lar "compartilhado" que eu poderia chamar de "formigueiro humano" se isso não fosse uma ofensa à bem estruturada sociedade das formigas.

Foto do nosso carro, instantes antes de sairmos do condomínio onde morávamos
Mas, ainda que você tenha a sorte de morar em um condomínio com uma maioria de pessoas inteligentes e bem intencionadas, ainda assim você não terá a liberdade de decidir nada sozinho no que diz respeito às mudanças e melhorias no seu imóvel (e quando eu digo sozinho, me refiro às vontadades da sua família).

Espaço

Outro aspecto a considerar (no meu ponto de vista) é que para a maioria da população, morar em um apartamento significa morar em um lugar com "pouco espaço". Isso porque apartamentos grandes são caros, muitos caros. Na verdade, apartamentos pequenos também podem ser caros, mas os grandes estão em um nível diferente.

Claro que "pouco espaço" e "muito espaço" são medidas subjetivas e completamente relativas. Um apartamento de 44 metros quadrados pode ser um palácio para uma pessoa solteira enquanto que pode ser tambérm uma pokebola apertada para uma família com 4 pessoas.

Mas, para uma família com 4 pessoas que sejam adeptos de um estilo de vida minimalista (que possuem pouquissima mobilia e pertences em geral) e que quase não ficam em casa, um apartamento de 44 metros quadrados pode ter bastante espaço. Ao mesmo tempo que esse mesmo apartamento pode ser muito apertado para uma pessoa solteira que seja consumista e/ou acumuladora. Estou citando dois exemplos extremos para explicar o porque considero essa uma medida subjetiva.

No meu caso particular (de uma família com 4 indivíduos), um apartamento com 44 metros é impraticável, pois não temos um estilo minimalista de vida e embora não sejamos consumistas, somos muito apegados a algumas coisas que tomam espaço com o passar do tempo (livros, plantas, brinquedos e por aí vai).

Ainda posso acrescentar que no quesito espaço eu (como indivíduo) sou uma pessoa "espaçosa". Mas com "pessoa espaçosa" eu quero dizer que sou alguém que não gosta de estar em lugares apertados, com pouco espaço para me mover ou que não me permita realizar alguma atividade (seja escrever em paz, fazer exercícios, organizar minha bagunça, etc).

Na verdade, enquanto escrevo esse texto, percebo que eu funciono de forma parecida com um HD de computador: preciso de espaço livre no disco para poder realizar as minhas tarefas. Quanto mais complexas forem essas tarefas, mais espaço livre eu preciso para me organizar e agir. No pequeno apartamento em que eu morava, eu já me senti desanimado de começar a treinar várias vezes por não ter espaço suficiente para isso (às vezes era difícil até mesmo levar os pesos para fora do apartamento). Quantas vezes deixei de selecionar alguns livros escondidos no fundo da estante simplesmente porque não havia espaço o suficiente para colocar os livros que estavam na frente, me impedindo de visualizar os títulos que eu queria encontrar. Um hábito que perdi nos últimos anos foi o de revisar meus antigos desenhos e anotações escritas, simplesmente porque estavam "guardadas" em um canto do apartamento de dificil acesso para economizar espaço. Em suma, eu estava vivendo como um HD com boa parte do seu banco de dados compactado (como se eu tivesse usado o WinZip para armazenar as coisas que não são de uso diário).

Deixando a alegoria tecnológica de lado, eu posso resumir que apesar do espaço em um apartamento poder ser melhor aproveitado, eu sinceramente não me sinto confortável enfurnado em algo que me faça sentir como um pokemon em uma pokebola, por mais organizada e otimizada que esta pokebola esteja. Isso é uma preferência pessoal minha e que pode estar ligada à minha infância e juventude morando em casas. Apesar disso, após 13 anos morando em um apartamento eu não consegui me adaptar à falta de espaço necessária para fazer meus exercícios, organizar uma mesa de trabalho apenas para as minhas coisas (textos, desenhos e leitura), e ter um espaço adequado para os meus momentos de invencionice maluca (lembro quando a minha filha e eu reservamos um mês de férias para criar um diário de GravityFalls para ela, um cavalo de pau e outras peças de artesanato: fizemos tudo isso no apartamento, mas precisamos interditar todo o quarto dela para isso).

Família cresceu

Minha família na pequena sala do apartamento, dias antes da mudança para a casa da família
Outro aspecto que nos levou (minha esposa e eu) a considerar a mudança para uma casa foi que a nossa família cresceu, tanto em quantidade (quando minha sobrinha passou a morar conosco) como em comprimento (no que diz respeito às crianças que estão ficando cada vez mais altas). Enquanto isso o apartamento se manteve com os mesmos 43,44 metros quadrados.

Apartamento encolheu

Aliás, no que diz respeito ao apartamento, acredito que o mais correto seria dizer que ele encolheu, pois apesar dos seus 43,44 metros quadrados imutáveis, os mesmos foram sendo cada vez mais ocupados por novos móveis, objetos, decoração e coisas que as pessoas acabam acumulando com o tempo e conforme suas necessidades se diversificam (as crianças precisavam de uma mesa para estudar, de uma bicicleta maior, e de uma beliche, eu comprei alguns Kettlebells novos com o tempo e novos livros brotam magicamente em nossa estante com uma frequência assustadora, o sofá precisou ser trocado por outro maior, etc, etc). Desse modo, o pequeno "espaço" que tinhamos foi ficando cada vez menor. A nossa filha que o diga: ela chegou a usar o pequeno corredor do apartamento (para não dizer minúsculo) para brincar com seu triciclo e até mesmo com seu skate... Hoje esse corredorzinho mal comporta sua bicicleta.

Lazer

Claro que o apartamento está em um condomínio e podemos nos perguntar "mas esse condomínio não tem lugar para guardar bicicletas e para fazer exercício e outras opções de lazer?" e irei responder que o meu condomínio é um problema à parte nesse aspecto: ele não tinha em seu projeto original esses lugares (bicicletário e academia) e sendo um condomínio pequeno, ele conseguiu apenas "improvisar" um bicicletário (que foi pessimamente projetado) para os seus moradores. E não tem espaço disponível para projetar opções de lazer para os adultos realizarem seus exercícios (o condomínio mal comporta as necessidades das crianças nesse aspecto).

Claro que há alguns lados positivos: quem tem carro, não está muito longe de dois parques muito bons para a pratica de atividades ao ar livre: o Cemucam e o Jequitibá (é possível ver na visualização abaixo uma ponte de madeira no parque Jequitibá). Mas para quem não tem carro, a região fica devendo muito nesse aspecto.

Localização

Eu tenho assistido muitas temporadas de irmãos à obra e vários vídeos no Youtube sobre o tema "Reforma e Mudança de Endereço". E posso dizer que se eu aprendi uma coisa com todo esse material que tenho consumido nos últimos 3 anos é que a casa precisa funcionar para os seus moradores e não o contrário. Isso também é verdade no quesito "localização". Este talvez este seja o principal motivo para termos nos mudado do nosso apartamento para a nossa casa atual (talvez este motivo seja até mais forte do que a minha predileção por casas ao invés de apartamentos e a questão do espaço).

Acontece que o bairro onde meu apartamento se localiza (o Santa Maria, palco de alguns contos que eu escrevi e estou escrevendo) possui uma geografia estranha: é um morro cercado por um córrego e duas rodovias (o Rodoanel e a Raposo Tavares), com ruas estreitas e calçadas inúteis de tão irregulares. Devido à localização, o acesso ao bairro vindo de Osasco só é possível por duas ruas localizadas em pontos opostos, que acabam se tornando os dois gargalos do trânsito de veículos que corre por ali.

Além dessas características, não há opções de lazer no bairro. Seu único parque é pequeno e pouco convidativo. Não há ciclovias. Não há faculdades. E para frequentar o comércio local de carro enfrenta-se um problema cada vez mais comum na região metropolitana: não há lugar para estacionar. Este problema se agrava nessa região devido às ruas extremamente estreitas (ruas que, aliás, foram projetadas há 50 ou 60 anos para o tráfego de charretes: eu sei disso porque conheço a região há pelo menos 30 anos e lembro que há 3 décadas o Santa Maria ainda era um reduto de chácaras em que trafegavam charretes e uns poucos automóveis que vez ou outra ficavam atolados em suas estradinhas de terra enlameadas). Antes desse período, há 4 ou 5 décadas, o bairro fazia parte de uma grande fazenda.

Sendo assim, não há muito o que fazer no bairro em termos de lazer e o trânsito ali é bastante complicado. Aliado a isso, ainda há o fato de que minha esposa e eu não trabalhamos na região e por isso temos que nos deslocar todo dia para longe de onde moramos, enfrentando um trânsito turbulento e massante. Por exemplo, eu gastava 1 a 1,5 horas para ir para o trabalho e o mesmo tempo para voltar, totalizando uma média de 3 horas de trânsito todo dia, o que totalizam 15 horas perdidas na semana e 60 horas no mês, um valor assustador, se você considerar que essa quantidade de horas no trânsito é maior que a carga de trabalho semanal mais praticada no Brasil; que são 44 horas semanais. Nossa filha e nossa sobrinha também não estudam no bairro (as escolas sequer são próximas da região).

No final das contas, nossa vida não acontece no Santa Maria a maior parte do tempo e nós só usavamos o apartamento para dormir praticamente.

Com a mudança para o Vila Osasco, nossa família vai ganhar muitas horas por dia a mais (só eu irei ganhar 40 horas por mês com essa mudança), pois estaremos mais próximos do trabalho e da escola (minha filha ficava mais de uma hora no transporte escolar e agora esse tempo caiu para 15 minutos). Além disso, teremos opções de lazer (parques e praças, ciclovias e ciclofaixa) próximo de casa, além de faculdades, Sesc, Estações de Trem, e estaremos próximos ao Centro de Osasco (o coração de Oz City por assim dizer).

Gratidão

Mas poder optar por essa mudança não foi fácil e para dizer a verdade, ela só aconteceu agora porque tivemos a ajuda dos pais da minha esposa. Nós estávamos procurando por uma casa na mesma região em que eles moravam antes de se mudarem para o litoral e nos ofereceram ficar morando na casa de Osasco, já que eles não iriam mais ficar lá.

Se não fosse por essa grande ajuda, talvez não tivessemos como optar por essa mudança agora, ou teríamos que nos individar para conseguir vir para esta região.

Somos muito gratos a eles pela ajuda e pela oportunidade de melhorar nossa qualidade de vida.

Conclusão

Estas foram as principais razões que motivaram essa mudança de endereço e eis o porque o mês de Julho foi dedicado completamente para reforma, fazer as malas e tudo o mais que uma mudança desse tipo exige.

Apesar da minha esposa e eu não termos feito todo o trabalho sozinhos (contratamos uma empresa para realizar algumas reformas na casa: algumas atualizações hidráulicas, a troca de algumas telhas e a instação de alguns DryWalls), nós ainda assim fizemos muita coisa: pintura, carregar entulho, trocar torneiras, chuveiro, instalação do gás, carregar móveis, pequenos reparos e ajustes, fazer as malas, a mudança em si, desfazer as malas, realocar móveis, retocar o rejunte de alguns pisos, etc, etc, etc...

Quando eu vi, o mês de Julho já tinha acabado e nós ainda não haviamos terminado toda a arrumação da casa, alias, ainda não terminamos (vamos levar alguns finais de semana nesse processo). Mas conseguimos nos mudar antes do fim das nossas férias e, neste aspecto posso dizer que a missão foi um grande sucesso.

Em outro momento (talvez) eu retorne a este assunto para falar sobre outras curiosidades (sobre a reforma e a mudança em si) e até sobre os aspectos negativos de morar em uma casa de bairro (ao invés de em um condomínio), pois todo moeda tem dois lados e também há vantagens em se morar em um condomínio (não que isto mude a minha preferência entre uma opção e outra).

Imagem abstrata, mostrando um homem de cabelo escuro chegando em uma cidade suburbana escura e misteriosa


Comentários

Minha foto
Éder S.P.V. Gonçalves
Osasco, SP, Brazil
É um ficcionista trevoso; escreve poema, romance e também conto. Mescla tom sério com humor ao falar sobre fantasia, mistério e terror. Mantém um blog onde posta textos por vezes sombrios e temperados com ácido humor.

Postagens mais visitadas deste blog

O Tigre, de William Blake

Filtrando pelo campo TSK_STATUS

Carmilla: a vampira de Karnstein

Hajime no Ippo e o Espírito de Desafiante

Drácula: é capaz de controlar os lobos?

Como configurar os níveis de aprovação no app Meu RH da Totvs?

Testando o MidJourney para criar uma capa para a Rua dos Anhangás

Sea Of Thieves: Skin do Kraken Tinto

Telhas de PVC: como evitar problemas na instalação

Ticê: a feiticeira que se tornou a deusa do submundo

📮 Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

👁‍🗨 MARCADORES

Curiosidades Leituras crônicas de escritor crônicas de um autor independente O Conde de Monte Cristo Alexandre Dumas filosofia Livros Entretenimento espada e feitiçaria Poemas Memorandos a rua dos anhangás histórias de mistério histórias de terror vampiros Fantasia Sombria folclore literatura gótica Caravana Sombria Contos halloween dicas diário Os Demônios de Ergatan histórias de fantasma lobisomens Bram Stoker Oitocentos Aromas de Devaneio PODCASTS escrita games histórias de aventura sagas Drácula O Leão de Aeris Psicotrápolas lendas lendas urbanas Histórias Sobrenaturais de Rudyard Kipling O Governador das Masmorras Rudyard Kipling Via Sombria conan exiles critica social kettlebell lua cheia micro contos natal sociedade Atividade Física Conan o Bárbaro Exercícios de Criatividade O Ventre de Pedra arqueologia feriado girevoy sport gyria inteligência artificial krampus krampusnacht masmorras paganismo papai noel séries xbox Robert Ervin Howard estrela negra folclore guarani ia liberdade melkor mitologia morte resenha séries de tv Capas Desenvolvimento de Jogos Ilustrações Os Segredos dos Suna Mandís Passeios Space Punkers cultura pagã era hiboriana game designer harpia histórias de horror histórias góticas hq humanidade personagens poema gótico política prisão quadrinhos As Aventuras do Caça-Feitiço Conto Diana Haruki Murakami História J.R.R.Tolkien Joseph Delaney O DIÁRIO DE IZZI Romancista como vocação Sandman V de Vingança Vampiros na literatura Wana anhangás animes aranhas arquivo umbra arte bruxas chatgpt criação de histórias cultura gótica estações do ano facismo fanfic fantasmas festividades gatos pretos godot jogos jurupari mangá mitologia brasileira netflix outono paródia protheus sexta-feira 13 superstições totvs vida vingança A Fênix na Espada Café Holístico Carmilla: a vampira de Karnstein Cristianismo Joseph Conrad Joseph Sheridan Le Fanu O Coração das Trevas O Homem Sem Memória O Mentalista Terry Pratchett age of war animes de esporte anotações bruxaria cadernos capa castlevania ceticismo conto de terror cotia crenças criatividade culto aos mortos demônios dia de todos os santos diabo drama educação engines evernote fantasia farmer walk ficção ciêntifica ficção fantástica folclore indígena fotografias funcom hajime no ippo horror cósmico indicação de séries inverno leitores listas lobos lua azul matrix megafauna mitologia indígena natureza notion objetos amaldiçoados opinião palácio da memória podcast ratos reforma sea of thieves sinopse templo zu lai tigre tutoriais utilidades viagem no tempo vila do mirante vlad tepes wicca Áudio-Drama A Arte da Guerra A Balada dos Dogmas Ancestrais A Cidade dos Sete Planetas A Sede do Viajante A Voz no Broche Age Of Sorcery Anne Rice Arthur C. Clarke As Sombras do Mal Bad and Crazy Barad-dûr Berkely Blog Breve encontro com Dracooh de Beltraam Bushido Canto Mordaz Carta Para um Sábio Engenheiro Cartas Chuck Hogan Daniel Handler Direitos Iguais Rituais Iguais Discworld Divulgação Doctor Who Eiji Yoshikawa Elizabeth Kostova Elric de Melniboné Entrevista com o Vampiro Full Metal Alchemist Gaston Leroux Genghis Khan Grande A'Tuin Guillermo Del Toro Hoje é Sexta-Feira 13 e a Lua está Cheia Johann Wolfgang von Goethe Joseph Smith Katana Zero Lemony Snicket Lestat de Lioncourt Lord Byron Lord Ruthven Louis de Pointe du Lac Mapinguari Michael Moorcock Michelly Mordor Musashi Na Casa de Suddhoo Na toca dos ratos letrados Nergal Novela O Escrínio de Pooree O Fabuloso Maurício e seus Roedores Letrados O Historiador O Hobbit O Jirinquixá Fantasma O Lobo O Lobo das Planícies O Mar O Mundo de Sofia O Ogro Montês O Primeiro Rato Letrado O Rei de Amarelo O Senhor dos Anéis O Sexo Invisível O Sonho de Duncan Parrennes O Tigre O Tigre e o Pescador Obras das minhas filhas Olga Soffer Os Incautos Os Livros da Selva Os Ratos Letrados Outono o Gênioso Oz Oz City Pedra do Teletransporte Polo Noel Atan Red John Rei Ladrão & Lâmina Randômica Robert William Chambers Rotbranch Samhain Sarcosuchusimperator Sobre a Escrita Sociedade Blake Stephen King Stranger From Hell TI Tevildo Thomas Alva Edison Tik Tak Tomas Ward Vida e Morte Wassily Wassilyevich Kandinsky William Blake Wyna daqui a três estrelas Yoshihiro Togashi Yu Yu Hakusho absinto aho aho akemi aleijadinho algoritmos alienígenas aluguel amazônia amor anagramas andarilhos animais de estimação animação anime ano novo aranha marrom aranha suprema arquétipo astronomia atalho atitudes autopublicação azar balabolka baladas banho frio banho gelado bicicleta bienal do livro biografia blogger boxe bugs caderno de lugar comum calçados militares caminhos escuros carlos ruas carnaval carta do chefe Seatle casa nova casas mal assombradas castelos castelos medievais categorias cavaleiro da lua celebrações pagãs chalupa chonchu chrome cidadania cientista civilização ciência condessa G condomínio configuração consciência conto epistolar coragem cordilheira dos andes crianças criaturas lupinas crimes cultura brasileira cultura otaku cárcere cães dark rider democracia deusa da lua e da caça dia das crianças dia de finados dia do saci dia dos mortos distopias doramas ecologia el niño ema encantos esboços escuridão espada espírito de luta espíritos exoplanetas falta de energia elétrica feiticeiras feitiçaria feitiços felicidade felipe ferri fome fonte tipográfica fonógrafo fortuna fundação japão game pass gratidão greve gênero hitória homens humor hábitos saudáveis ia para geração de imagens idealismo identidade igualdade de gênero imaginação imaterialismo inquisição jaci jaterê japão japão feudal jogos 2d jogos de plataforma jornada kami kraken kraken tinto labirintos labirintos 2D lealdade leitor cabuloso lenda guarani leste leviathan licantropia linguagem de programação literatura inglesa live action livros infanto juvenis loop lua de morango lugares mal assombrados lógica de programação malaquias mandalas matemática mawé mazolata mboi-tui meio ambiente melancolia memorização mercado de trabalho meu rh microsoft midjourney mitologia grega mitra mizu moccoletto mochila modelo de linguagem modo escuro molossus monograma monstros montanha morgoth morpheus moto motoqueiro mudança mudanças climáticas mulheres mundos método wim hof músicas neil gaiman noite eterna nomes de gatos pretos nona arte nostalgia o que é vida objetos mágicos ogros oração os sete monstros osamu tezuka patriarcado pena pensamentos perpétuos pesadelos pescador piedade pluto pod cast poderes povo nômade predadores prefácio primavera primeiras impressões problemas profecia pterossauro publicação independente qualidade de vida quarta parede reclamação reflorestamento religião religião de zath rio Pinheiros rio Tietê robôs roda do ano roma antiga romantismo cósmico romênia sacerdotisas de zath samurai de olhos azuis sarcosuchus Imperator saturnalia saturnália saúde segredos seres fantásticos serpente-papagaio sexo frágil sintetizador de voz smilodon sobrevivencialismo solstício solstício de inverno solstício de verão sonhar sophia perennis sorte suna mandís sustentabilidade série de terror tau e kerana teclado telhado telhas de pvc templo de hachiman tempo teoria das cores terror texto em fala ticê tigre dente de sabre totvs carol transilvânia travessão treinamento treino trevas trickster tumba de gallaman tv título um sábado qualquer universidades van helsing varacolaci vendaval verão vida em condomínio vigília da nevasca windows wombo art xamanismo xintoísmo ymir yule zath zoonoses águia ódio
Mostrar mais