Conan Exiles: enfrentando um Rotbranch

Um Rotbranch nas terras do exílio do game Conan Exiles

💀💀💀

Uma batalha titânica contra um Rotbranch em Conan Exiles

"...do alto da colina eu avaliei uma última vez a muralha, as paliçadas e os meus vassalos em prontidão; aquelas feras tenazes e cuja sede de violência eu havia alimentado e expandido. Todos ansiávamos por aquela batalha que estava prestes a se iniciar. A chuva acabara de cair e a presença sinistra da morte se elevava junto com o cheiro da grama molhada que a brisa carregava para o rio. Era apropriado que assim o fosse, pois a brisa vinha da direção em que o Troll-Verde-Morte se encontrava; repousando em seu sono sinistro, como um dragão que dorme em cima de uma pilha de tesouros antigos e esquecidos da memória dos vivos. E todos sabem o que pode acontecer quando se cutuca um dragão adormecido. Eu sabia que muitas das minhas feras tombariam sem vida nessa contenda contra a besta titânica. Ainda assim as minhas feras buscavam glória e a satisfação que a violência traz consigo com o cheiro do sangue fresco jorrando e com os gritos e grunhidos ferais. E devia ser assim, pois eu buscava testar meu exército para avaliar as nossas chances contra um inimigo ainda maior e mais perigoso: Ungoliant!" — Melkor, o bárbaro


Hoje é segunda-feira, dia 13/02/2023 e estou dando continuidade ao registro das minhas aventuras na terra do exílio e ao meu exercício criativo de imaginar um vilão como Melkor (personagem criado por Tolkien e que figura como principal antagonista em O Silmarilion) encarnado em forma humana nas Terras do Exílio de Conan o Bárbaro.

No texto de hoje reúno os últimos acontecimentos das minhas jogatinas na forma de um diário narrado pelo próprio Melkor...

💀💀💀

Eu ainda não sabia se minhas feras estavam a altura de enfrentar Ungoliant. Então resolvi dar inicio aos preparativos para testar meu exército e, para isso, os levaria contra um inimigo aparentemente tão formidável quanto ela: o Troll-Verde-Morte, que dormia próximo ao nosso posto avançado na entrada da caverna do Executor.

Viajei para a Torre do Invisível, acompanhado de Warg; o irmão Lombo-Grosso do Invisível. Eu queria treinar Warg e evoluí-lo na arte do combate de modo que ele atingisse o mesmo nível de experiencia que o Invisível e Benzai, a minha Hiena Albina Enorme.

A primeira coisa que fizemos ao chegar no posto avançado foi executar uma pequena reforma na Torre do Invisível;  liberamos o acesso para o rio, de modo que a criatura Rei Lombo Grosso torna-se ao local. E o plano deu certo, um Lombo Grosso Rei poderoso apareceu por lá e o enfrentamos para conseguir coletar usa carne exótica e pele grossa.

Agora eu sabia que sempre que precisa desses insumos, conseguiria naquele lugar sem precisar viajar para muito longe de minha fortaleza principal.

Exploramos os arredores, matamos os humanos que voltaram para os dois acampamentos da Mão Negra e varremos a região em busca de ferro.

Descobrimos outra entrada para a caverna do Executor. Além do segundo acampamento da Mão-Negra, fomos atacados por inúmeras aranhas cinzentas. Nós as enfrentamos e as derrotamos, mas como não paravam de surgir novas aranhas, vasculhamos o lugar em busca de seu ninho e nos deparamos com uma caverna escura e agourenta. Adentramos a escuridão de breu e seguimos o sinuoso túnel e nos deparamos com várias fontes de ferro e enxofre e mais aranhas.

Conforme avançamos, chegamos em uma ampla galeria além da qual avistamos as pilastras de um templo ancestral.

Com cautela, fui mais para o fundo e mais para perto das pilastras desse templo. Avistei guerreiros mortos-vivos; caveiras com espadas ancestrais agourentas. Nos buracos vazios de seus cranios brilhava uma chama sinistra como que vinda de algum abismo cósmico habitado por criaturas diabólicas e pervesas.

Enquanto eu coletava ferro na parede mais distante do templo guardado por estas bestas, Warg foi avistado e entrou em combate com as caveiras sinistras e mortíferas.

Apesar do grande poder de combate corpo-a-corpo e resitencia, os Lombo-Grossos não são nada discretos e ágeis para missões furtivas.

Com meu escudo negro em forma de aranha e minha clava de ferro, ajudei Warg a derrubar a primeira leva de soldados caveiras e nos afastamos para a galeria ampla de onde havíamos vindo.

Mas uma segunda leva de caveiras nos seguiu e fomos lutando com elas enquanto avançamos em meio ao breu, buscando o caminho de volta para a saída da caverna. Mas já havia anoitecido lá fora, o que dificultou nosso progresso.

Uma fera diabólica nos alcançou e Warg e eu conseguimos conter seus ataques. Muito embora eu tenha sido atingido por um golpe que tirou quase toda a minha vida. Me afastei enquanto Warg me deu copertura.

Chamei Warg que fugiu deixando aquela besta esquelética com olhos que brilhavam sinistramente para trás.

Aquele ser sombrio e letal não poderia ser outro senão o próprio executor.

Eu tinha contas a acertar com ele. Mas não naquele momento. Descobri por acaso aquela caverna e não esperava que chegaria ao templo ancestral nas profundezas daquela montanha ária onde eu já fui assassinado em combate por duas vezes por aquele ser maligno e seu exército de mortos-vivos.

Por outro lado, aquela descoberta foi ótima, pois essa entrada era mais ampla que a anterior e permitiria que eu lutasse junto a um vassalo meu com mais possibilidades estratégicas e planos de fuga em caso de necessidade. Inclusive eu poderia atrair a besta para o lado de fora da caverna, onde poderia deixar mais vassalos de prontidão para emboscar aquela besta sinistra.

Mas isso ficaria para outro dia. Ainda tinhamos que enfrentar o Troll-Verde-Morte e meus esforços estavam concentrados naquela campanha naquele momento.

Além disso, dessa exploração inesperada, coletamos enxofre e ferro e matamos muitas aranhas cinzentas, das quais extraímos teias para fabricar seda e também esfolamos e arrancamos suas peles feitas de quitina, substancia que uso para construir parte da minha armadura e escudo em forma de aranha.

Viajamos de volta para nossa base principal na Torre de Mordor, levando conosco a nossa carga para produzir barras de ferro e outras coisas mais.

Na minha bancada que fiz para colocar um vassalo armeiro futuramente, eu construí uma nova peça para minha armadura; uma couraça mais resistente para proteger o tronco e peitoral durante os combartes corpo-a-corpo contra as poderosas criaturas espalhadas por estas terras.

Depois, dando continuidade ao meu plano de testar a estratégia de guerra que quero empregar contra Ungoliant; isto é, usar meus vassalos em um cerco amuralhado para enfrentá-la, voltei para a Torre do Invisível e de lá fui para o acampamento provisório que fiz próximo ao local onde o Troll-Verde-Morte descansa. Ou será que ele está guardando o local como um Dragão guarda seu covil e os tesouros que esconde em suas entranhas?

Warg e eu expandimos aquele acampamento provisório as margens do rio e o transformamos em uma pequena base de guerra com uma ponte estreita para atravessar o rio até o pé do rochedo sobre o qual fica um dos acampamentos da Mão-Negra e um depósito de ferro. Ainda levantamos uma pequena muralha no lado da base que dá para a colina onde repousa a criatura, a fim de que ela não pudesse invadir nossa base quando viesse nos atacar.

Meu plano era posicionar meus três mais fortes guerreiros do lado de fora dessa pequena muralha; os dois irmãos Lombo-Grosso enormes, Invisível e Warg e também Benzai, a minha Hiena albina enorme. Além deles eu colocaria outros vassalos mais fracos para darem suporte na batalha; cinco Lombros-Grosso e duas Hienas normais. São criaturas mais fracas eu acredito que elas podem causar algum dano no Troll-Verde-Morte, mesmo que acabem morrendo no processo. Afinal, nunca ouvi falar em uma guerra em que sacrifícios não sejam necessários.

Enquanto meu pequeno exérito enfrentar a criatura eu irei alvejá-la com flexas e golpes de espada quando estiver próxima da muralha e ao alcance da minha lâmina.

Após preparar o terreno e finalizar as construções, empreendi várias viajens entre minha Base Principal, a Torre do Invisível e o acampamento que haviamos acabado de expandir para buscar Invisível, Benzai e os vassalos mais fracos.

Nestas viajens acabei testando novas rotas e com isso descobri um local onde é possível encontrar filhotes de jacaré muito jovens; condição ideal para convertê-los em guerreiros da minha vassalagem. Capturei quatro filhotes; dois deixei em minha base principal e os outros dois na Torre do Invisível.

Em seguida, nos arredores do Troll-Verde-Morte, coletei madeira e pedra para construir uma pequena oficina na nova base para moldar madeira e fabricar duas paliçadas que eu pretendia usar para enfraquecer ainda mais a enorme e poderosa criatura que iriámos enfrentar. Enquanto eu rondava o lugar, mantendo distância segura para não despertar o ser aberrante em cujo corpo cresciam liquens e musgo, eu avistei uma arca de metal próximo do monstro. Era isso então o que ele guardava; era o seu tesouro. Mas, o que quer que estivesse guardado ali, em breve seria meu; ao menos era o que eu desejava.

O céu escureceu e começou a chover. Precisava de mais madeira e avistei um bosque do outro lado do rio e indo para o norte de nossa base.

Quando cheguei ao lugar, a chuva caía em abundância. Warg e eu coletávamos madeira quando avistei um tigre, e depois outro e mais outro. Tomei cuidado para não enfrentá-los naquele momento, a fim de não disperçar o foco da missão que estávamos prestes a por em prática. Mas claro que eu voltaria àquele lugar para conseguir pele de felino e para explorar a região.

Voltamos para a pequena muralha onde construi um arco e fabriquei muitas, mas muitas flexas.

Subi para o ponto mais elevado do terreno e lá do alto da colina eu avaliei uma última vez a muralha, as paliçadas e os meus vassalos em prontidão; aquelas feras tenazes e cuja sede de violência eu havia alimentado e expandido. Todos ansiávamos por aquela batalha que estava prestes a se iniciar. A chuva acabara de cair e a presença sinistra da morte se elevava junto com o cheiro da grama molhada que a brisa carregava para o rio. Era apropriado que assim o fosse, pois a brisa vinha da direção em que o Troll-Verde-Morte se encontrava; repousando em seu sono sinistro, como um dragão que dorme em cima de uma pilha de tesouros antigos e esquecidos da memória dos vivos. E todos sabem o que pode acontecer quando se cutuca um dragão adormecido. Eu sabia que muitas das minhas feras tombariam sem vida nessa contenda contra a besta titânica. Ainda assim as minhas feras buscavam glória e a satisfação que a violência traz consigo com o cheiro do sangue fresco jorrando e com os gritos e grunhidos ferais. E devia ser assim, pois eu buscava testar meu exército para avaliar as nossas chances contra um inimigo ainda maior e mais perigoso: Ungoliant!

Finalmente, iniciamos o combate.

Atraí a criatura com disparos de flexa enquanto eu voltava para a muralha. A besta me perseguia com seu andar lento e que, no entanto, fazia tremer o solo a cada passo.

Meus soldados a atacaram quando ela se aproximou da muralha como um bando de piranhas famintas atacam um pedeço de carne sangrenta. Mas a besta medonha não grunhia e nem rosanva; olhava vagarosamente ao redor antes de executar ataques com seus braços grossos e poderosos que pareciam dois troncos de carvalho que desabavam sobre suas vítimas com um estrondo de trovão.

Eu atirava flexas e golpeava com a espada quando o corpo da criatura se aproximava da muralha e nestas horas ela se voltava para mim com seu crânio de madeira e pedra com duas órbitas vazias e fantasmagóricas que, no entanto, pareciam expressar zombaria e escárnio diante de oponentes que este ser deveria julgar tão fracos.

De fato o Troll-Verde-Morte era ainda mais poderoso do que eu havia imaginado. Apesar de mover seu corpo de forma vagarosa, seus ataques eram disparados como relâmpagos e mesmo seus golpes indiretos faziam o chão tremer e me jogavam para longe da muralha, arrancando metade da força vital de meu corpo.

Eu me preveni, deixando poções de cura prontas para a ocasião e, tão logo restaurava minhas forças, voltava para a muralha e dava continuídade aos meus ataques.

Mas a situação era calamitosa. Não demorou para que meus vassalos menores tombassem diante do poder feroz daquela besta horrenda. O sangue jorrava de suas ferias abertas; cortes e esmagamentos decorridos das pancadas poderosos e violentas que arrebentavam sobre seus corpos, fraturando e espondo ossos, dilacerando e destruindo a carne como lâminas cegas de madeira e pedra.

Por fim, até mesmo Benzai e Invisível tombaram diante da fúria avassaladora do Troll-Verde-Morte.

Foi uma carnificina sem tamanho, é verdade, mas meus vassalos não tombaram em vão; como resultado do sacrifício dos meus combatentes e das minhas investidas e estratégia superior, o Troll-Verde-Morte também foi ferido e o ataque violento e numeroso do meu pequeno exército esvaiu a força fantasmagórica que lhe dava vida.

Warg e eu fomos eramos os últimos em combate quando eu dei o último golpe na besta.

Porém, como um ato de bruxaria, nosso inimigo não tombou com seu enorme corpo cadavérico como era de se esperar.

Ao invés disso ele desvaneceu num turbilhão fugaz de madeira, pedra e logo como se fosse uma ilusão diabólica.


Desci da muralha sentindo meu corpo mortal doer com ossos fraturados e cortes que só não eram maiores devido a proteção de minha armadura. Olhei a grama onde o Troll-Verde-Morte sumiu e procurei por vestíos do seu corpo bestial. Mas não encontrei absolutamente nada.

Geralmente essas criaturas que guardam tesouros carregam consigo a chave para abrir baús e cofres. Mas não havia nada do tipo no lugar.

Minha vitória era amarga e o meu desejo pelo conteúdo do baú que a criatura guardava apenas aumentou como o ímpeto de um vulcão que se vê impedido de explodir.

Em um forte próximo de um Rotbranch nas terras do exílio do game Conan Exiles

Warg e eu caminhamos por entre os corpos de nossos companheiros mortos. Nossos passos grudavam devido ao sangue grosso derramado sobre a relva que parecia um pantano sangrento àquela altura.

Por fim, me detive ao lado do corpo de Invisível, todo ensanguentado. Lutou bravamente, mas infelizmente o inimigo era muito mais poderoso do que fui capaz de imaginar.

Em um forte próximo de um Rotbranch nas terras do exílio do game Conan Exiles observando um lacaio morto por esse terrível chefe

Eu havia pensando em batizar aquela base com um nome que aludisse nossa vitória. Mas a irônia fez essa vitória parecer uma derrota; não obtive prêmios e perdi valiosos vassalos na empreitada.

Então resolvi batizar essa base como A-Ruína-Do-Invisível e a ponte anexa de Ponte-Verde-Morte.

Reavaliei inumeras vezes a minha estratégia. Poderia ter agrupado meus guerreiros de forma melhor? Poderia ter organizado o terreno de outra forma?

Essa experiência teve um gosto amargo e me mostrou que eu ainda não deveria enfrentar Ungoliant. Ainda não.

Como um senhor da guerra e do caos, eu não estava satisfeito com o resultado dessa experiência militar e enquanto eu não descobrisse uma estratégia melhor para esse tipo de embate eu não me daria por satisfeito.

Precisava de mais poder? Previsava de mais malícia? Armadilhas? Melhores armas? Ou talvez eu precisasse de outro tipo de vassalo em certos tipos de cerco?

Furioso, segui com Warg para o bosque onde havíamos encontrado alguns tigres e os atacamos e matamos a fim de coletar sua pele. Ao menos eu voltaria para minha base principal com algum recurso novo daquela nova região.

Mas os espíritos que guardam estas terras estavam me vigiando e protegendo suas crias, pois um tigre branco mais poderoso que os demais apareceu como um fantasma que salta da escuridão e nos atacou.

Como Warg e eu ainda não haviamos nos recobrado totalmente da batalha recente, fugimos dali e subimos uma colina verdejante, onde fomos atacados por algumas pessoas e por um jaguar. Matamos todos e continuamos subindo algo como a encosta de uma grande montanha até encontrarmos um pantano repleto de aves do terror.

Porém, nesse instante, meu espirito presentiu a presença de uma força ameaçadora se aproximando da Torre do Invisível; uma horda de hienas vinha em sua direção com intenção hostil.

Os espíritos protetores das Terras do Exílio deviam estar se mobilizando para expulsar minha presença da região e me forçar de volta para o Sul.

Warg e eu voltamos a toda velocidade para a Torre do Invisível a fim de fazermos frente a esse ataque junto com os vassalos mais fracos que restaram naquela base avançada.

Por sorte conseguimos chegar um pouco antes da primeira onde de invasores.

Subi na torre de observação e avistei um bando de Hienas e alguns guerreiros humanos se aproximando. Eles não queriam apenas invadir; queriam derrubar a nossa base.

Warg e eu atacamos e destruímos aqueles invasores, mas mal nos recobramos do combate quando uma segunda horda veio em nossa direção.

Em um forte nas terras do exílio do game Conan Exiles
Hecatombe de Hienas guiadas por um humano vindo em direção à Torre do Invisível

Enfrentamos hordas e mais hordas de Hienas e os guerreiros humanos que as controlavam.

Não pudemos impedir o ataque que vinha de todos os lados e as Hienas conseguiram invadir nossa Base. Infelizmente perdemos nosso vassalos mais fracos que não puderem fazer frente à Horda de Hienas.

Warg e eu continuamos na batalha e movidos pela ira caçamos e matamos todas as Hienas, horda após horda, até não sobrar mais nenhuma.

Após o ataque, reparamos a Base, que no entando ficaria deserta quando Warg e eu voltassemos para a Torre de Mordor.


Foi um dia difícil e frustrante.

Nos preparamos para viajem, deixando os dois crocodilos em formação no curral da Torre do Invisível e alguns recursos.

Partimos para a Torre de Mordor.

Lá chegando, guardei os recursos que coletamos, ferro, peles de felinos, cabeças de tigre, entre outro.

Fui ao curral verificar se os crocodilos em formação precisavam de mais carne e para minha surpresa, os dois já estavam prontos, sendo que um deles tornou-se um crocodilo enorme. Adicionei carne no curral e voltei para as oficinas nos porões de minha torre.

Criei uma roda-da-dor e saí para caçar um vassalo humano.

Talvez fosse o momento de começar a recrutar humanos para o meu exército e, a fim de já capturá-los adultos, eu precisaria de uma roda-da-dor para quebrar seus espíritos e converte-los em vassalos fiéis, dispostos a se sacrificar por mim em qualquer que fosse a situação.

Pensei em capturar um feitiçeiro que pudesse me ajudar com a magia dessas terras; tão diferente da magia com que estou acostumado.

Após um sangrento combate com uma tribo vizinha nas proximidades da Torre de Mordor, capturei um feitiçeiro Darfari e o levei para minha Torre, aprisionei-o a roda-da-dor e fui repousar meu corpo físico; este avatar de carne que tenho trabalhado tanto para fortalecer...

No elevador em um forte nas terras do exílio do game Conan Exiles
Pegando o elevador para a Torre de Mordor com um prisioneiro na corda

No elebador em um forte nas terras do exílio do game Conan Exiles
A Torre é alta, então pode ser que a corda arrebente no caminho, para infelicidade do prisioneiro

Meu espírito, no entanto, não repousou. Fique maquinando meus próximos passos...


Comentários

Seguidores

Visualizações de página do mês passado

Postagens mais visitadas deste blog

O Tigre, de William Blake

Yokais: as criaturas sobrenaturais do folclore japonês e sua história

Filtrando pelo campo TSK_STATUS

Katana Zero

Como configurar os níveis de aprovação no app Meu RH da Totvs?

A lenda do Mapinguari: tudo o que você precisa saber sobre o monstro da Amazônia

Carmilla: a vampira de Karnstein

Drácula: é capaz de controlar os lobos?

O Evernote premium vale a pena?

Ticê: a feiticeira que se tornou a deusa do submundo

📮 Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

👁‍🗨 MARCADORES

Curiosidades Leituras crônicas de escritor crônicas de um autor independente O Conde de Monte Cristo Livros Alexandre Dumas filosofia Entretenimento espada e feitiçaria Fantasia Sombria folclore Poemas halloween Memorandos a rua dos anhangás histórias de mistério histórias de terror vampiros Contos diário literatura gótica Caravana Sombria dicas lobisomens Os Demônios de Ergatan escrita histórias de aventura histórias de fantasma Bram Stoker Oitocentos Aromas de Devaneio PODCASTS games lendas lendas urbanas sagas Atividade Física Drácula O Governador das Masmorras O Leão de Aeris Psicotrápolas Rudyard Kipling lua cheia mitologia sociedade séries de tv Conan o Bárbaro Histórias Sobrenaturais de Rudyard Kipling Via Sombria conan exiles critica social kettlebell micro contos natal paganismo resenha séries Exercícios de Criatividade O Ventre de Pedra arqueologia feriado girevoy sport gyria indicação de séries inteligência artificial krampus krampusnacht masmorras papai noel xbox Robert Ervin Howard cultura pagã estrela negra folclore guarani ia liberdade melkor morte política quadrinhos Capas Desenvolvimento de Jogos História Ilustrações J.R.R.Tolkien Os Segredos dos Suna Mandís Passeios Space Punkers bruxas era hiboriana game designer harpia histórias de horror histórias góticas hq humanidade mangá netflix personagens poema gótico prisão Anne Rice As Aventuras do Caça-Feitiço Conto Diana Entrevista com o Vampiro Haruki Murakami Joseph Delaney O DIÁRIO DE IZZI O Homem Sem Memória Romancista como vocação Sandman V de Vingança Vampiros na literatura Wana anhangás animes aranhas arquivo umbra arte bruxaria chatgpt criatividade criação de histórias cultura gótica cultura japonesa cães estações do ano facismo fanfic fantasia fantasmas festividades gatos pretos godot jogos jurupari literatura lobos magia mitologia brasileira opinião outono paródia protheus sea of thieves sexta-feira 13 sinopse sobrenatural superstições totvs vida vingança A Fênix na Espada A Guerra dos Tronos Amazon Prime Aventura Café Holístico Carmilla: a vampira de Karnstein Cristianismo Crônicas de Gelo e Fogo George R.R. Martin Joseph Conrad Joseph Sheridan Le Fanu O Chamado Selvagem O Coração das Trevas O Mentalista O Senhor dos Anéis Terry Pratchett age of war anime animes de esporte anotações bokken cadernos capa castlevania ceticismo conto de terror cotia crenças criaturas fantásticas culto aos mortos demônios dia de todos os santos diabo drama educação engines espada espada de madeira espiritualidade evernote família farmer walk feitiçaria ficção ciêntifica ficção fantástica folclore indígena folclore japonês fotografias funcom hajime no ippo horror cósmico inverno leitores lendas antigas leviathan listas lua azul lua de morango matrix megafauna mitologia indígena monstros mudanças climáticas natureza notion objetos amaldiçoados palácio da memória piratas podcast ratos reforma seres fantásticos solstício de inverno série série de terror templo zu lai tigre tutoriais utilidades viagem no tempo vila do mirante vlad tepes wicca xamanismo youkais Áudio-Drama 1ª temporada A Arte da Guerra A Balada dos Dogmas Ancestrais A Cidade dos Sete Planetas A Cidadela Escarlate A Enciclopédia de Bars A Ilha do Tesouro A Sede do Viajante A Voz no Broche Adaptações do Zorro Age Of Sorcery Akira Toryama Anéis de Poder Arquivo X Arthur C. Clarke As Mil e Uma Noites As Sombras do Mal Bad and Crazy Barad-dûr Basquete Berkely BlackSails Blog Breve encontro com Dracooh de Beltraam Bushido Caninos Brancos Canto Mordaz Carta Para um Sábio Engenheiro Cartas Chris Carter Chuck Hogan Clássicos Japoneses Sobrenaturais Colin Bridgerton Dana Scully Daniel Handler Direitos Iguais Rituais Iguais Discworld Divulgação Doctor Who Dragon Ball Eiji Yoshikawa Elizabeth Kostova Elric de Melniboné Esporte Fantasia Épica Fox Mulder Full Metal Alchemist Gaston Leroux Genghis Khan Grande A'Tuin Guillermo Del Toro Hoje é Sexta-Feira 13 e a Lua está Cheia Jack London Johann Wolfgang von Goethe Johnston McCulley Jornada de Autodescoberta Joseph Smith Julia Quinn Katana Zero Lady Whistledown Lemony Snicket Lestat de Lioncourt Lord Byron Lord Ruthven Louis de Pointe du Lac Mapinguari Michael Moorcock Michelly Mordor Musashi Na Casa de Suddhoo Na toca dos ratos letrados Nergal Novela O CADERNO DE LILIAN O Escrínio de Pooree O Fabuloso Maurício e seus Roedores Letrados O Feiticeiro de Terramar O Historiador O Hobbit O Jirinquixá Fantasma O Lobo O Lobo das Planícies O Mar O Mundo de Sofia O Ogro Montês O Primeiro Rato Letrado O Rei de Amarelo O Sexo Invisível O Sonho de Duncan Parrennes O Tigre O Tigre e o Pescador O Vampiro Lestat OBRAS Obras das minhas filhas October Faction Olga Soffer Os Bridgerton Os Incautos Os Livros da Selva Os Ratos Letrados Outono o Gênioso Oz Oz City Pedra do Teletransporte Penelope Pituxa Polo Noel Atan Red John Rei Ladrão & Lâmina Randômica Richard Gordon Smith Robert E. Howard Robert Louis Stevenson Robert William Chambers Romance histórico Rotbranch Safira Samhain Sarcosuchusimperator Simbad Sobre a Escrita Sociedade Blake Stephen King Stranger From Hell Série Zorro TI Tevildo Thomas Alva Edison Thomas Hobbes Tik Tak Tomas Ward Tortuga Ursula K. Le Guin Valerio Evangelisti Vida e Morte Vó Mais Velha Wassily Wassilyevich Kandinsky William Blake Wyna daqui a três estrelas Yoshihiro Togashi Yu Yu Hakusho Zorro absinto aho aho akemi aleijadinho algoritmos alienígenas alquimia aluguel amazônia amor anagramas andarilhos animais de estimação animação ano novo análise aranha marrom aranha suprema arquétipo artesanato astronomia atalho atitudes auroques autopublicação aves míticas azar balabolka baladas banho frio banho gelado bicicleta bienal do livro biografia blogger bokuto boxe bugs caderno de lugar comum calçados militares caminhos escuros carlos ruas carnaval carta do chefe Seatle casa nova casas mal assombradas castelos castelos medievais categorias cavaleiro da lua celebrações pagãs chalupa chonchu chrome cidadania cientista civilização ciência condessa G condomínio configuração consciência conspiração conto epistolar coragem cordilheira dos andes corsários crianças criaturas lupinas crimes cultura brasileira cultura otaku cárcere dark rider dark side democracia deusa da lua e da caça devaneios dia das crianças dia de finados dia do saci dia dos mortos distopias diy doramas eclipse eclipse do sol eclipse solar ecologia el niño ema encantos esboços escultura escuridão espírito de luta espíritos exoplanetas falta de energia elétrica faça você mesmo feiticeiras feitiços felicidade felipe ferri ficção científica filmes fome fonte tipográfica fonógrafo fortuna fundação japão game pass gratidão greve gênero harpias histórias de pescador hitória hobby homenagem homens humor husky hábitos saudáveis ia para geração de imagens idealismo identidade igualdade de gênero imaginação imaterialismo inquisição jaci jaterê japão japão feudal jogos 2d jogos de plataforma jornada kami katana kendo kraken kraken tinto labirintos labirintos 2D lealdade leitor cabuloso leituras da Lilian lenda guarani leste leviatã licantropia linguagem de programação literatura aventuresca literatura fantástica literatura inglesa live action livros infanto juvenis lobisomem lobo lobos gigantes loop lugares mal assombrados lógica de programação malaquias mandalas mangaká matemática mawé mazolata mboi-tui meio ambiente melancolia memorização mercado de trabalho meu rh microsoft midjourney mistério mitologia grega mitologia japonesa mitologia árabe mitra miyamoto musashi mizu moccoletto mochila modelo de linguagem modo escuro molossus monograma montanha morgoth morpheus moto motoqueiro mudança mulheres mundos método wim hof músicas narrativa navios piratas neil gaiman noite eterna nomes de gatos pretos nona arte nostalgia o inverno está chegando o que é vida objetos mágicos ogros oração os sete monstros os sete monstros lendários osamu tezuka ovni patriarcado pena pensamentos perpétuos pesadelos pescador piedade piratas do caribe pluto pod cast poderes porto real povo nômade povos aborígenes predadores prefácio primavera primeiras impressões problemas profecia pterossauro publicação independente qualidade de vida quarta parede reclamação reflorestamento religião religião de zath resenhas rio Pinheiros rio Tietê ritual robôs roc roca roda do ano roma antiga romantismo cósmico romênia roque sacerdotisas de zath samurai de olhos azuis sarcosuchus Imperator saturnalia saturnália saúde segredos serpente-papagaio sexo frágil sintetizador de voz sistema mágico smilodon sobrevivencialismo solstício solstício de verão sonhar sophia perennis sorte suna mandís suspense sustentabilidade tau e kerana teclado telhado telhas de pvc templo de hachiman tempo teoria das cores terror texto em fala ticê tigre dente de sabre totvs carol transilvânia travessão treinameno treinamento treino trevas trickster tumba de gallaman tv título um sábado qualquer universidades van helsing varacolaci vendaval verão vida em condomínio vigília da nevasca westeros windows winterfell wombo art xintoísmo ymir yokai yokais youkai yule zath zoonoses águia ódio
Mostrar mais

Apresentando a Saga O Governador das Masmorras

Apresentando a Saga O Governador das Masmorras
Em o Ataque da Estrela Negra, conhecemos o relato sinistro sobre a trágica queda de uma cidadela marítima que foi engolida em uma única noite por forças malignas além da compreensão humana. Esta história se passa em um universo fantástico e exótico, cujos personagens se envolvem em mistério, violência, rebeliões sangrentas, seitas malignas, criaturas sobrenaturais com habilidades e intenções ocultas e uma narradora tão misteriosa quanto o relato de que foi testemunha.

A Misteriosa Espiã Alada: as revelações tenebrosas de uma misteriosa criatura

A Misteriosa Espiã Alada: as revelações tenebrosas de uma misteriosa criatura
Em A Misteriosa Espiã Alada, conhecemos mais sobre a misteriosa narradora de evento sinistro que se abateu sobre a Cidadela Marítima de Ancar e também sobre a figura sombria a quem a narradora se refere como "Assombrado" e "Sempre-sobre-a-torre". Quem é a misteriosa donzela alada? Quem é a misteriosa figura que a interpela através de um aparente feitiço sinistro no alto do torreão sombrio, cercado pelas ruínas de um templo ancestral tomado pela vegetação e pelas raízes de árvores frondosas e soturnas que dançam e cantam com o vento a música lúgubre típica dos cantos ermos do mundo?

A Queda da Cidadela Marítima: Uma Narrativa Fantástica e Misteriosa

A Queda da Cidadela Marítima: Uma Narrativa Fantástica e Misteriosa
Em A Queda da Cidadela Marítima, conhecemos o relato sinistro sobre a trágica queda de uma cidadela marítima que foi engolida em uma única noite por forças malignas além da compreensão humana.

O Ventre de Pedra: A Cela

O Ventre de Pedra: A Cela
Em A Cela, somos apresentados a um homem que acorda em desespero e sem memória em uma masmorra agourenta nas produndezas de uma caverna trancada por barras de ferros e vigiada por soldados soturnos armados com espadas tão frias quanto seus olhares. O que será deste homem nesta masmorra agourenta? Por qual motivo ele foi parar ali? O caos e o pesadelo está apenas começando nessa história que se passa em um universo fantástico e exótico, em que seitas malignas, seres sobrenaturais com poderes e intenções incompreensíveis, rebeliões sangrentas e personagens intrigantes estão envoltos em uma cortina de mistério, magia e uma treva cada vez mais densa.

A Balada dos Dogmas Ancestrais

A Balada dos Dogmas Ancestrais
Nesse post apresento o prólogo A Balada dos Dogmas Ancestrais, uma canção que narra eventos ocorridos em uma época remota nesse universo fantástico e cuja história sobreviveu na cultura de poucos povos, como os Suna Mandís, cuja tradição oral e segredos místicos perigosíssimos são preservados e protegidos por seu povo devido a um pacto firmado por um ancestral remoto desse povo: um pacto sombrio que visa pagar um crime que condenou todo um arquepélago à ruína.

O Povo das Mandalas Errantes

O Povo das Mandalas Errantes
Hoje estou às voltas com o povo das mandalas errantes... Protagonistas (e antagonista) do segundo conto no qual estou trabalhando neste universo fantástico que tenho chamado de Um Mundo Estranho...

Uma garota gótica vestida de preto

Uma garota gótica vestida de preto
Seu nome é Luisa, uma garota de 17 anos que se veste de preto e usa maquiagem carregada em tons escuros. Ela adora ouvir música com letras sombrias e melancólicas, mas neste fim de tarde a única música que seus ouvidos desejam escutar é a do silêncio. O problema é que...

Escrevendo a premissa de Via Sombria

Escrevendo a premissa de Via Sombria
Tenho sido bastante produtivo nas últimas semanas, embora não tenha conseguido concluir nenhum dos meus trabalhos em andamento. Em parte porque tenho muito coisa para fazer, mas também porque quando estou...

A Verdade sobre o Faz de Conta

A Verdade sobre o Faz de Conta
...há algo escondido nas histórias fantásticas que as pessoas quase sempre não percebem que está lá: não raro essas histórias tocam justamente nas duras e difíceis questões reais que estão sempre presentes na vida de todo mundo...