A Rua dos Anhangás: terror e folclore indígena

Um lobisomem monstruoso observa uma rua escura em uma cidade brasileira
Imagem gerada por mim no Midjourney

👻👹👾

Após um tempo (alguns anos) experimentando algumas plataformas de publicação, principalmente o Wattpad, Clube de Autores e o KDP da Amazon, eu resolvi voltar a publicar no Wattpad, sendo o principal motivo a interação com os leitores.

Ao mesmo tempo, tenho explorado a ideia de construir um Blog (o meu espaço na internet) para reunir os meus variados trabalhos, esboços e/ou experimentos; como meu podcast "Caravana Sombria", meus livros e contos, desenhos, games, etc. E por isso mesmo, tenho pensado em qual seria a melhor maneira de divulgar minhas histórias aqui no Blog.

Por isso, trago hoje um pouco sobre A Rua dos Anhangás; lugar estranho e sinistro localizado no Jardim Santa Maria, em Osasco - SP (pertinho de onde moro atualmente). Pode ser um desafio encontrar essa ruazinha que sequer aparece no Google Maps. Ao mesmo tempo, ela tem o mal hábito de capturar pessoas com seus becos traiçoeiros que usa como se fossem os tentáculos cinzentos de uma besta urbana encravada na cidade.

Ilustração que mostra alguns dos personagens de A Rua dos Anhangás
Desenho que fiz dos personagens Isac e o Padre Roberto

SOBRE YOUKAIS, A SÍNDROME DO VIRA-LATA E O FOLCLORE BRASILEIRO

Aproveito este espaço para discorrer um pouco sobre a história por trás desta história. Falo sobre os motivos que me levaram a escrever um conto completamente inspirado no folclore brasileiro. Alerto, porém, que não sou um especialista em folclore; pelo contrário, como bom brasileiro que sou, careço de conhecer profundamente este aspecto de nossa identidade nacional. Mas, nem por isso minha opinião deixa de ter alguma verdade; nem que seja a minha própria, o que quer dizer que, mesmo que todos os especialistas do mundo – hoje o mundo abunda em especialistas na mesma medida em que carece de esclarecimento – discordem do que digo, ao menos o que digo servirá como ponto de partida para que se diga algo a respeito deste tema.

Então sigamos em frente...

Durante toda a minha infância e juventude eu odiei o folclore do meu país. E não sou o único; a multidão de conterrâneos meus que compartilham desta opinião – ou melhor, compartilhavam, pois hoje estou curado deste ódio – é tão vasta quanto as terras tupiniquins. Pensando sobre isso, já adulto e tendo consumido obras com embasamento folclórico de outros países; em especial do Japão, as quais sempre me agradaram tanto, comecei a me questionar o que havia de diferente entre elas; obras folclóricas estrangeiras, e as nossas próprias obras. Ou seja, o que há lá fora que aqui não temos?

O Japão possui os seus youkais, seus samurais e seus ônis. O Oriente Médio possui seus gênios, seus tesouros fabulosos e os seus viajantes conhecedores das histórias mais insólitas. A Europa possui os seus dragões, cavaleiros e magos. E o Brasil? O que possui? Criaturazinhas infantis como o Saci-pererê, a Cuca, a sereia Yara, a dona Benta e a boneca Emília?

Claro, à primeira vista o brasileiro vai responder que é justamente esse o nosso folclore: um amontoado de personagens infantis e sem graça. Afinal foi com este folclore que fomos bombardeados nas últimas décadas.

Grande engano. Se nos esquecermos desta roupagem infantilizada com que vestiram nossa identidade cultural e voltarmos nossos olhares para o passado, veremos que nossa história é repleta das mais fabulosas e instigantes histórias.

Como eu dizia, enquanto que o Japão folclórico é povoado por Youkais e Budas importados da China – que por sua vez os importaram da Índia –, o Brasil possui os seus Anhangás; que nada deixam a desejar aos seus primos nipônicos, e Santos importados da Europa; tão encantadores e instigantes quanto os muitos tipos de Budas reverenciados na Ásia.

Enquanto o Oriente Médio possui seus Gênios e todo o panteão da mitologia Árabe, o Brasil possui todo um caldeirão de criaturas saídas das mais diversas famílias selvagens; os chamados "índios" (o correto é aborigenes) que povoaram estas terras Sul-Americanas por milênios possuem suas próprias religiões xamanistas, com suas figuras mitológicas — creio que assim podemos chamá-las —, seus deuses e guerreiros lendários.

Enquanto a Europa possui seus Dragões o Brasil possui o Mboi Tatá; a serpente de fogo, a mula sem cabeça; cuja lenda original nada possui de infantil, o terrível Mapinguari, e uma infinidade de outros.

Enquanto o exterior possui os seus monstros, o Brasil possui os seus sete monstros lendários, filhos de Tau e Kerana, naquilo que podemos chamar de mitologia Guarani. E não paremos por aí, temos nossos próprios zumbis – o corpo seco – e os nossos próprios lobisomens – como por exemplo o capelobo – e mais, muito mais...

Além disso, as nossas histórias originais não possuem o mesmo apelo infantil com que as vestimos nos últimos anos. São histórias sombrias e aterrorizantes, fabulosas, deslumbrantes, repletas do apelo selvagem que tanto gostamos de procurar em obras estrangeiras.

Mas então porque, afinal, desprezamos tanto o nosso próprio folclore?

Só posso supor que em parte a culpa é desta roupagem tão infantilizada. É como quando retiramos os condimentos de um prato; apimentado por natureza, na esperança de torna-lo mais palatável para o consumidor infantil, mas o fazemos a tal ponto que o prato se torna chocho; tão sem graça que o próprio público infante ao qual se destina perde o interesse no mesmo.

O irônico é que nossa moderna sociedade brasileira vem fazendo isto já há umas boas décadas, numa tentativa de proteger a infância e o infante; como se pudesse de alguma forma preservar a criança como “criança” ao poupá-la da escuridão que há no mundo, negando ao seu olhar ingênuo aquilo que os monstros foram criados para mostrar: o lado sombrio da própria humanidade e da natureza. Afinal, não nos esqueçamos que é desde sempre que o ser humano usa o dom que possui de contar histórias para ensinar; já diziam para as criancinhas em volta da fogueira que a mata possuía monstros assassinos e sanguinários que iriam devorar suas tripas se fossem descuidadamente até lá sem a proteção dos seus pais e que por isso, não deviam deixar a proteção da tribo para se lançar em uma aventura provavelmente suicida.

Claro, o medo nem sempre é o melhor professor, mas seu apelo é inegável.

Mas não culpo a este fenômeno da infantilização exacerbada somente. O folclore brasileiro sofre também de outro mal; a síndrome do vira-lata, a qual faz com que tudo o que seja nacional seja visto como "menos" e tudo o que é estrangeiro seja visto como "mais". E este não é um mal moderno, é já velho e faz parte de nossa formação cultural enquanto nação. O fato é que ainda não superamos nosso complexo de inferioridade e por isso temos tanta dificuldade de acreditar que aquilo que é brasileiro é bom, que aquilo que é escrito em português é relevante, e que nossas assombrações podem mesmo inspirar medo.

Conheço pessoas que acham engraçado ler um livro de terror ou aventura que se passa em sua cidade natal, ao passo que os livros que se passam na cidade natal de autores de outros países soam-lhe não apenas mais "críveis" como também mais “sérios” e “dignos” de crédito. Ora, um lobisomen, esteja ele na França, nos E.U.A, no Timor Leste, em Angola, Portugal ou no Brasil, ainda será um lobisomen. A diferença é que no Brasil o monstro não será meio lobo, e sim meio vira-lata, pelo menos até que o brasileiro se cure desta síndrome.

E talvez o remédio possa ser aprendido nas terras do sol nascente; em que os filhos do vento divino precisaram aprender na marra como valorizar a própria cultura enquanto absorviam o estrangeiro para que pudessem sobreviver. Falo do Japão.

O japonês hoje veste-se como o ocidental, conhece a indústria e a ciência ocidental, mas preserva-se como japonês. São um perfeito exemplo deste paradoxo cultural que sonho para o meu próprio país e embora eles tenham os seus próprios problemas, devemos admitir que eles respeitam suas raposas, admiram seus Youkais e Kamis e prestam reverencia à natureza de seu país em seus santuários xintoístas. É preciso valorizar a própria origem e a própria cultura (ao menos os aspectos positivos da cultura) para seguir em frente como um povo digno. Se você pensa em você mesmo como sendo "menos", agirá irremediavelmente como "menos". Por isso é tão importante pensar; senão como "mais", talvez como um "igual" perante os outros povos.

Foi pensando nisso que tive uma inspiração; porque não posso fazer com o folclore brasileiro o mesmo que os japoneses fazem com seu folclore japonês nos "animês", nos "mangás" e nos seus livros? Eles sempre estão revitalizando suas raízes com roupagens que, a despeito de novas, não deixam de carregar a mesma essência.

Aliás, nosso folclore indígena possui muitas semelhanças com o folclore japonês: ambos possuem uma origem primitiva e selvagem, com tradições xamanistas que cultuam a natureza e também ambos passaram ao longo de sua história como civilização, pelo processo de importar também as tradições, conhecimentos e as mitologias de outros países, afinal, assim como eu já mencionei, da mesma forma que o Japão importou o Buda e várias tradições chinesas, o Brasil importou Portugal e a África para as suas terras tupiniquins.

Claro, o Brasil e o Japão também possuem muitas diferenças e hoje encontram-se tão opostos no que diz respeito ao nível de valorização da cultura nacional quanto estão geograficamente. Mas destas duas distâncias, apenas a geográfica não podemos diminuir.

Deixo agora este pequeno conto; minha visão do que seria dar uma roupagem moderna e ao mesmo tempo "não infantilizada" para as criaturas saídas do espirito folclórico desta vasta nação tupiniquim.

Que esta nação um dia diga "Não somos vira-latas! Somos como a nobre Onça! Reis como o Jacaré-Açu! Livres como o Gavião Real! Somos herdeiros dos guerreiros de pele vermelha! Somos os senhores que governam as terras brasileiras, tão ricas e vastas em tesouros fabulosos e exuberantes que nem mesmo nas mil e uma noites já se ouviu falar! Somos irmãos dos povos que falam português, tupi-guarani, e outras centenas de línguas, com as quais conjuramos a mata, as águas, e as suas fabulosas criaturas!

O Conto completo está sendo publicado (ou já foi, depende de quando você está lendo esse post) no Wattpad.

Comentários

Minha foto
Éder S.P.V. Gonçalves
Osasco, SP, Brazil
É um ficcionista trevoso; escreve poema, romance e também conto. Mescla tom sério com humor ao falar sobre fantasia, mistério e terror. Mantém um blog onde posta textos por vezes sombrios e temperados com ácido humor.

Postagens mais visitadas deste blog

O Tigre, de William Blake

Filtrando pelo campo TSK_STATUS

O Evernote premium vale a pena?

Como usar categorias no Blogger?

A torre da Aranha suprema no Norte Glacial em Conan Exiles

Hajime no Ippo e o Espírito de Desafiante

Como configurar os níveis de aprovação no app Meu RH da Totvs?

Carmilla: a vampira de Karnstein

Rudyard Kipling e seu conto de humor sobre um oficial trapaceiro na Índia: Tick Boileau

Conan Exiles: enfrentando um Rotbranch

📮 Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

👁‍🗨 MARCADORES

Curiosidades crônicas de escritor crônicas de um autor independente O Conde de Monte Cristo Alexandre Dumas filosofia Leituras Livros Memorandos Poemas histórias de terror Entretenimento a rua dos anhangás Caravana Sombria espada e feitiçaria halloween diário histórias de mistério vampiros Contos Os Demônios de Ergatan histórias de fantasma lobisomens Fantasia Sombria Oitocentos Aromas de Devaneio PODCASTS dicas games histórias de aventura literatura gótica O Leão de Aeris folclore Via Sombria escrita kettlebell lua cheia micro contos sociedade Atividade Física Bram Stoker Exercícios de Criatividade arqueologia girevoy sport gyria inteligência artificial séries Drácula Rudyard Kipling conan exiles critica social folclore guarani ia liberdade morte prisão sagas séries de tv Capas Desenvolvimento de Jogos Histórias Sobrenaturais de Rudyard Kipling Ilustrações Os Segredos dos Suna Mandís Passeios Psicotrápolas Space Punkers game designer histórias góticas hq humanidade lendas lendas urbanas mitologia paganismo personagens poema gótico política quadrinhos xbox As Aventuras do Caça-Feitiço Conan o Bárbaro Conto Diana Haruki Murakami J.R.R.Tolkien Joseph Delaney O DIÁRIO DE IZZI Romancista como vocação Sandman V de Vingança Wana animes aranhas arquivo umbra arte bruxas chatgpt criação de histórias cultura gótica cultura pagã era hiboriana facismo fanfic fantasmas gatos pretos godot histórias de horror natal outono paródia protheus sexta-feira 13 superstições totvs vida Café Holístico História Joseph Conrad O Coração das Trevas O Governador das Masmorras O Homem Sem Memória O Mentalista O Ventre de Pedra Robert Ervin Howard Terry Pratchett andarilhos anhangás animes de esporte anotações bruxaria capa castlevania ceticismo conto de terror cotia crenças criatividade culto aos mortos demônios dia de todos os santos diabo drama educação engines estações do ano estrela negra fantasia farmer walk feriado festividades ficção fantástica folclore indígena fotografias hajime no ippo horror cósmico inverno jurupari krampus krampusnacht leitores listas lobos lua azul mangá masmorras matrix megafauna mitologia brasileira netflix palácio da memória papai noel podcast ratos reforma sea of thieves sinopse templo zu lai tigre tutoriais utilidades viagem no tempo vila do mirante vingança vlad tepes wicca Áudio-Drama A Arte da Guerra A Cidade dos Sete Planetas A Fênix na Espada A Sede do Viajante A Voz no Broche Anne Rice Arthur C. Clarke As Sombras do Mal Bad and Crazy Barad-dûr Berkely Breve encontro com Dracooh de Beltraam Bushido Canto Mordaz Carmilla: a vampira de Karnstein Carta Para um Sábio Engenheiro Cartas Chuck Hogan Cristianismo Daniel Handler Direitos Iguais Rituais Iguais Discworld Divulgação Doctor Who Eiji Yoshikawa Elizabeth Kostova Elric de Melniboné Entrevista com o Vampiro Full Metal Alchemist Gaston Leroux Genghis Khan Grande A'Tuin Guillermo Del Toro Hoje é Sexta-Feira 13 e a Lua está Cheia Johann Wolfgang von Goethe Joseph Sheridan Le Fanu Joseph Smith Katana Zero Lemony Snicket Lestat de Lioncourt Lord Byron Lord Ruthven Louis de Pointe du Lac Mapinguari Michael Moorcock Michelly Mordor Musashi Na toca dos ratos letrados Novela O Fabuloso Maurício e seus Roedores Letrados O Historiador O Hobbit O Jirinquixá Fantasma O Lobo O Lobo das Planícies O Mar O Mundo de Sofia O Ogro Montês O Primeiro Rato Letrado O Rei de Amarelo O Senhor dos Anéis O Sexo Invisível O Sonho de Duncan Parrennes O Tigre O Tigre e o Pescador Obras das minhas filhas Olga Soffer Os Incautos Os Livros da Selva Os Ratos Letrados Outono o Gênioso Oz Oz City Polo Noel Atan Red John Rei Ladrão & Lâmina Randômica Robert William Chambers Rotbranch Samhain Sarcosuchusimperator Sociedade Blake Stranger From Hell TI Tevildo Thomas Alva Edison Tik Tak Tomas Ward Vampiros na literatura Vida e Morte Wassily Wassilyevich Kandinsky William Blake absinto aho aho aleijadinho algoritmos alienígenas aluguel amazônia amor anagramas animais de estimação aranha marrom aranha suprema arquétipo astronomia atalho atitudes azar balabolka banho frio banho gelado bicicleta bienal do livro blogger boxe caderno de lugar comum cadernos calçados militares caminhos escuros carlos ruas carta do chefe Seatle casa nova casas mal assombradas castelos castelos medievais categorias cavaleiro da lua chalupa chonchu chrome cidadania cientista civilização ciência condessa G condomínio configuração consciência conto epistolar coragem cordilheira dos andes crianças criaturas lupinas crimes cultura brasileira cultura otaku cárcere cães dark rider democracia deusa da lua e da caça dia das crianças dia de finados dia do saci dia dos mortos distopias doramas dun ecologia el niño ema encantos esboços escuridão espada espírito de luta espíritos evernote exoplanetas falta de energia elétrica feiticeiras feitiçaria feitiços felicidade felipe ferri ficção ciêntifica fome fonte tipográfica fonógrafo fortuna fundação japão game pass gratidão greve gênero harpia homens humor hábitos saudáveis ia para geração de imagens idealismo igualdade de gênero imaginação imaterialismo indicação de séries inquisição jaci jaterê jogos jogos 2d jogos de plataforma jornada kraken kraken tinto labirintos labirintos 2D lealdade leitor cabuloso lenda guarani leste leviathan licantropia linguagem de programação literatura inglesa livros infanto juvenis lua de morango lugares mal assombrados lógica de programação malaquias mandalas matemática mawé mboi-tui meio ambiente melancolia melkor memorização mercado de trabalho meu rh midjourney mitologia grega mitologia indígena mitra moccoletto mochila modelo de linguagem modo escuro molossus monograma monstros montanha morgoth morpheus moto motoqueiro mudança mudanças climáticas mulheres mundos método wim hof músicas natureza neil gaiman noite eterna nomes de gatos pretos nona arte nostalgia notion o que é vida o sempre sobre a torre objetos amaldiçoados objetos mágicos ogros oração os sete monstros osamu tezuka pena pensamentos perpétuos pesadelos pescador piedade pluto pod cast poderes povo nômade predadores prefácio primavera primeiras impressões prisioneiro problemas profecia pterossauro qualidade de vida quarta parede reclamação reflorestamento religião de zath resenha rio Pinheiros rio Tietê robôs roda do ano romênia sacerdotisas de zath sarcosuchus Imperator saturnália saúde segredos seres fantásticos serpente-papagaio sexo frágil sintetizador de voz smilodon sobrevivencialismo solstício solstício de inverno sonhar sophia perennis sorte suna mandís sustentabilidade série de terror tau e kerana teclado telhado telhas de pvc tempo teoria das cores texto em fala tigre dente de sabre totvs carol transilvânia travessão trevas trickster tumba de gallaman tv título um sábado qualquer universidades varacolaci vendaval vida em condomínio vó mais velha windows wombo art yule zath zoonoses águia ódio
Mostrar mais